Atletas chineses concentram-se para os Jogos Olímpicos de Tóquio 2021 em meio à pandemia de COVID-19

9 meses ago 0

Este ano de 2020 foi um ano como nenhum outro para o mundo esportivo, com vários eventos esportivos cancelados ou adiados devido à pandemia de COVID-19. Os atletas chineses estão enfrentando uma situação sem precedentes enquanto se preparam para os adiados Jogos Olímpicos de Tóquio.

Os Jogos Olímpicos de Tóquio, reprogramados para julho de 2021, vão premiar com medalhas 339 eventos em 33 esportes diferentes.

De acordo com a Administração Geral do Esporte do Estado da China, os atletas chineses conquistaram a qualificação olímpica em 155 eventos de 20 esportes. As eliminatórias olímpicas em 25 modalidades esportivas, incluindo natação, ainda não foram concluídas.

Wang Yun, funcionário da Administração Geral de Esportes da China, disse que as equipes chinesas prestaram muita atenção às competições e fizeram o possível para transformar riscos em oportunidades. Treinar à porta fechada era uma rotina para os atletas chineses em 2020.

“A vida é muito chata aqui. Não há nada de novo além do treinamento”, disse Wang Shun, medalhista de bronze medley individual do Rio 200m, que treina no Centro Nacional de Treinamento Aquático em Qiandao Lake, Hangzhou, com a equipe da província de Zhejiang desde março.

O técnico de Wang, Zhu Zhigen, disse que o surto de COVID-19 foi um desafio mental para os atletas. “Os atletas estavam desanimados depois de muito tempo morando aqui. Também havia uma crise potencial porque era difícil para os atletas se mobilizarem totalmente, então sua eficiência de treinamento e autodisciplina foram afetadas”, disse Zhu.

Muitas competições foram suspensas, por isso era difícil garantir a qualidade dos treinos sem competições regulares. Além disso, alguns atletas começaram a sofrer de ansiedade e depressão até certo ponto. O adiamento representou desafios ainda maiores para os atletas seniores, pois era difícil manter o ânimo.

Wang Yun disse que os departamentos relevantes tomaram várias medidas para reduzir o impacto da epidemia, já que as equipes nacionais enfrentaram fadiga do treinamento, ansiedade psicológica, falta de competição e outros problemas após um treinamento fechado de longo prazo.

A China foi o primeiro país a conter estritamente a epidemia, portanto, os atletas chineses podem se preparar para os jogos com mais tranquilidade. Os jovens atletas podem aprimorar ainda mais suas habilidades.

“Muita gente no exterior não conseguiu treinar, nem se locomover no país. Então temos uma vantagem e vamos aproveitar”, disse o treinador. Wang Yun disse que devemos manter a mente limpa e olhar para os prós e contras do adiamento das Olimpíadas de Tóquio. “Devemos aproveitar ao máximo essas vantagens e nos esforçar para maximizar os benefícios do ‘bônus de tempo’ de um ano para obter melhores resultados”.

Xinhua

TRITV COM OS GAÚCHOS, PELO RIO GRANDE E O PROJETO NADANDO PELOS CARTÕES POSTAIS
Uma nadada pela conscientização ambiental
Márcio Weber nadou o percurso de 12 Km da Praia do Paquetá, em Canoas, até a Usina do Gasômetro na capital dos gaúchos, Porto Alegre.