Bandeira da Rússia banida das Olímpiadas de Tóquio 2021 e Pequim 2022

3 meses ago 0

A bandeira e o hino da Rússia serão banidos dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2021 e Pequim 2022, embora o Tribunal de Arbitragem do Esporte (CAS) tenha reduzido pela metade o período de quatro anos de sanções impostas pela Agência Mundial Antidoping (WADA) como punição por a manipulação dos dados do Laboratório de Moscou.

Apenas os atletas russos que atenderem a certos critérios poderão competir como neutros em eventos como Tóquio 2021, Pequim 2022 e a Copa do Mundo FIFA de 2022 no Catar – caso o país se classifique – de acordo com a decisão do CAS.

O país não poderá sediar, ou ter direito ao palco, de nenhum evento importante durante o período de dois anos em que as sanções se aplicam e deve ser retirado qualquer Campeonato Mundial que deva ocorrer entre agora e 16 de dezembro de 2022 “a menos que seja legal ou praticamente impossível” fazê-lo.

A decisão também impede o presidente russo Vladimir Putin e outros funcionários do governo, como o ministro dos Esportes Oleg Matytsin, de comparecer aos Jogos Olímpicos de Tóquio, aos Jogos Olímpicos de Inverno de 2022 em Pequim e no Campeonato Mundial, a menos que sejam convidados pelo primeiro-ministro ou chefe do estado do país anfitrião.

O anúncio de hoje não sinalizará o fim do prolongado escândalo de doping na Rússia, pois agora caberá ao Comitê Olímpico Internacional (COI) e às Federações Internacionais implementar a decisão, que entra em vigor imediatamente.

A WADA em dezembro passado impôs um pacote de quatro anos de punições à Rússia depois que descobriu que dados do Laboratório de Moscou haviam sido adulterados e manipulados. O CAS reduziu o período para dois anos, mas disse que “não deve ser lido como qualquer validação da conduta da Agência Antidopagem Russa (RUSADA) ou das autoridades russas”.

“Este painel impôs consequências para refletir a natureza e seriedade do não cumprimento [do Código Mundial Antidoping] e para garantir que a integridade do esporte contra o flagelo do doping seja mantida”, disse o CAS em um comunicado. 

“As consequências que o painel decidiu impor não são tão extensas quanto as pretendidas pela WADA. “Isso não deve, no entanto, ser lido como qualquer validação da conduta da RUSADA ou das autoridades russas. “Ao fazer suas ordens, o Painel é limitado pelos poderes concedidos pela legislação aplicável, em particular o WADC e o Padrão Internacional para Cumprimento do Código pelos Signatários. “Ele considerou questões de proporcionalidade e, em particular, a necessidade de efetuar mudanças culturais e encorajar a próxima geração de atletas russos a participar de esportes internacionais limpos.”

Os atletas russos que cumpriram uma proibição de doping não poderão representar nenhuma equipe nas Olimpíadas ou Campeonatos Mundiais. Os atletas “não estarão sujeitos a suspensão, restrição, condição ou exclusão imposta por uma autoridade competente em qualquer procedimento passado ou futuro que permaneça em vigor no momento do evento especificado” para serem autorizados a competir. Os critérios na decisão do CAS não são tão fortes quanto a WADA desejava, entretanto.

Em sua decisão de dezembro de 2019, a WADA determinou que os atletas russos só podem competir em grandes eventos “onde sejam capazes de demonstrar que não estão implicados de forma alguma pelo não cumprimento das condições, incluindo (sem limitação) que eles não são mencionados em circunstâncias incriminatórias nos relatórios da McLaren, não há resultados positivos relatados para eles no banco de dados e nenhum dado relacionado às suas amostras foi manipulado e que eles foram submetidos a testes adequados dentro e fora da competição antes do evento em questão de acordo com a WADA “.

Isso significa que os russos implicados no Relatório McLaren, que fundamentou alegações de doping patrocinado pelo Estado pela Rússia em eventos incluindo os Jogos Olímpicos de Inverno de 2014 em Sochi, poderão participar em Tóquio 2020 e Pequim 2022.

De acordo com os termos da decisão, o nome da Rússia será permitido em uniformes em eventos como as Olimpíadas, mas as palavras “atleta neutro” – ou equivalente – “devem ser exibidas em inglês em uma posição e tamanho que não seja menos proeminente do que o nome “Rússia”.

As cores da bandeira também serão permitidas, mas o hino nacional russo está proibido.

É uma situação semelhante à dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2018 em Pyeongchang, quando competiram como o “Atleta Olímpico da Rússia” – OAR – onde conquistaram um total de 17 medalhas, incluindo duas de ouro para o 13º lugar geral. 

Os espectadores são livres para trazer a bandeira russa para os locais, visto que as Federações Internacionais e os signatários do código não serão obrigados a impedi-los de fazê-lo.

Em sua decisão, o painel do CAS de três pessoas disse que os atletas russos “não devem exibir publicamente a bandeira da Federação Russa (atual ou histórica), o nome ‘Rússia’ (em qualquer idioma ou formato), ou qualquer emblema nacional ou outro nacional símbolo da Federação Russa, incluindo, sem limitação, em suas roupas, equipamentos ou outros itens pessoais ou de forma publicamente visível em qualquer local oficial ou outras áreas controladas pelo signatário ou seu organizador de evento designado”.

O veredicto do CAS pode ser apelado ao Tribunal Federal Suíço, mas qualquer chance de sucesso na mais alta corte do país é pequena, já que ele apenas intervém com base em possíveis questões processuais e direitos humanos e não faz um julgamento sobre a interpretação do CAS do lei.

TRITV COM OS GAÚCHOS, PELO RIO GRANDE E O PROJETO NADANDO PELOS CARTÕES POSTAIS
Uma nadada pela conscientização ambiental
Márcio Weber nadou o percurso de 12 Km da Praia do Paquetá, em Canoas, até a Usina do Gasômetro na capital dos gaúchos, Porto Alegre.