Dentsu do Japão fez lobby e financiou campanha para os jogos de Tóquio

4 dias ago 0

A Dentsu Inc doou mais de US$ 6 milhões para a campanha bem-sucedida de Tóquio para sediar as Olimpíadas de 2020, de acordo com registros bancários vistos pela Reuters, e pressionou membros do Comitê Olímpico Internacional em nome da cidade, de acordo com três pessoas envolvidas no lobby. As atividades criaram um potencial conflito de interesses para a empresa de publicidade japonesa, que tinha um contrato separado com o COI para comercializar os jogos.

Para auxiliar em seus esforços, a Dentsu endossou a contratação de um consultor de Cingapura para a campanha olímpica de Tóquio. O papel da empresa é definido em transcrições de entrevistas que executivos da empresa deram a investigadores nomeados pelo Comitê Olímpico Japonês (JOC) para examinar se houve qualquer irregularidade durante a campanha de Tóquio. Promotores franceses que investigam a corrupção nos esportes globais suspeitam que o consultor Tan Tong Han desempenhou um papel no suborno de eleitores olímpicos para Tóquio em 2013, segundo duas pessoas familiarizadas com a investigação francesa. Tan não respondeu aos pedidos de comentários da Reuters.

Até agora, a Dentsu Inc, parte do Dentsu Group Inc, minimizou seu envolvimento com a campanha de Tóquio. Em resposta a perguntas da Reuters, a empresa disse que seus funcionários apenas aconselharam, quando questionados, sobre “vários especialistas e consultores na área esportiva”, incluindo Tan. Mas nos meses que antecederam a votação do COI para premiar as Olimpíadas em 2013, a Dentsu desempenhou um papel muito mais ativo, de acordo com as três pessoas envolvidas em lobby e registros bancários de campanha, mesmo mantendo seu relacionamento comercial de longa data com o COI. Isso o colocava em ambos os lados de uma licitação, um possível conflito sob as diretrizes do COI.

O artigo 10 das regras de conduta do COI para cidades que disputam sediar os jogos estabelece que sua camada superior de anunciantes e parceiros de marketing “deve abster-se de apoiar ou promover qualquer uma das cidades”, a fim de “preservar a integridade e neutralidade” da licitação processo.

O COI disse à Reuters no mês passado que a Dentsu não foi parceira de marketing entre 2011 e 2013, quando Tóquio fez uma oferta para sediar as Olimpíadas de 2020 e, portanto, não estava sujeita a essa regra. No entanto, Kiyoshi Nakamura, um executivo sênior da Dentsu, disse aos investigadores do JOC em 2016 que sua empresa era parceira de marketing do COI na época da oferta, de acordo com a transcrição de sua entrevista vista pela Reuters.

O COI não respondeu às perguntas da Reuters sobre se sua comissão de ética, o órgão que tomaria uma decisão sobre qualquer conflito de interesse, examinou as atividades da Dentsu durante a candidatura de Tóquio para 2020.

Nakamura disse aos investigadores japoneses que o COI tinha o que ele chamou de “compreensão adulta” do papel de Dentsu em trabalhar diretamente com a campanha de Tóquio. “Eles (o COI) nos disseram para não fazer isso publicamente”, disse Nakamura aos investigadores, de acordo com a transcrição de sua entrevista de 2016 vista pela Reuters e não relatada anteriormente. Ele não especificou quem no COI disse isso à campanha de Tóquio.

Em 2013, a Dentsu transferiu US$ 6,2 milhões para a conta de patrocínio da campanha de Tóquio, de acordo com registros bancários vistos pela Reuters. A contribuição anteriormente não divulgada era superior a 10% do total fornecido pelos patrocinadores.

Em nota à Reuters, a Dentsu confirmou o pagamento, mas não quis especificar o valor. “Fizemos uma doação em resposta a um pedido de apoio do comitê de licitação, após um adequado processo corporativo interno”, disse a Dentsu em nota. Não disse como o dinheiro foi usado.

A Dentsu disse que sua equipe forneceu “conselhos e informações ao comitê de licitação” quando solicitados, mas não tinha função oficial de consultoria. A empresa disse que suas atividades durante a campanha de Tóquio aderiram às regras de conduta do COI e, em seu entendimento, não infringiram a regra que proibia os patrocinadores e parceiros de marketing do COI de apoiar ou promover quaisquer cidades candidatas envolvidas em uma licitação olímpica.

O COI disse à Reuters que a Dentsu havia sido “contratada pelo COI para fornecer serviços que não estavam ligados à candidatura de nenhuma cidade”.

Ganhar as Olimpíadas de Tóquio foi uma das conquistas de Shinzo Abe como primeiro-ministro. As Olimpíadas de Tóquio, originalmente programadas para ocorrer neste verão, foram adiadas para 2021 por causa da pandemia. Yoshihide Suga, que sucedeu Abe no mês passado, disse que faria “o que fosse preciso” para sediar o evento no próximo ano.

A questão de saber se subornos foram pagos para garantir os jogos de Tóquio continua sendo o foco dos investigadores franceses, que estão examinando o papel da Dentsu, de acordo com uma pessoa com conhecimento da investigação. Emmanuelle Fraysse, secretária-geral do Ministério Público Financeiro da França, não quis comentar sobre uma investigação em andamento. A Dentsu disse que não foi contatada por promotores franceses.

O COI se recusou a comentar se subornos foram pagos em relação à campanha olímpica de Tóquio em 2020. Ele disse que estava cooperando com a investigação francesa.

O secretário-chefe de gabinete do Japão, Katsunobu Kato, disse na quinta-feira que o governo não poderia responder a perguntas sobre as atividades da campanha olímpica de Tóquio.

A Dentsu poderia se beneficiar de uma Olimpíada em seu próprio território. Ele desempenhou um papel central no planejamento e promoção dos jogos de Tóquio e arrecadou um recorde de mais de US$ 3 bilhões em patrocínio corporativo para o evento, de acordo com o COI, o que o coloca em posição de coletar grandes comissões sobre os valores pagos pelos patrocinadores.

Os investigadores contratados pelo JOC para averiguar se houve corrupção na licitação de Tóquio não encontraram irregularidades em um relatório final tornado público em 1º de setembro de 2016. Os registros da investigação do JOC, incluindo a transcrição de entrevistas, nunca foram fornecidos para promotores franceses, disseram pessoas com conhecimento dessa investigação. O JOC disse à Reuters que não foi capaz de compartilhar materiais da investigação com investigadores franceses.

O ex-chefe do JOC, Tsunekazu Takeda, foi colocado sob “investigação formal” por promotores franceses, disse uma fonte judicial francesa à Reuters no ano passado, porque ele assinou a contratação de Tan, o consultor de Cingapura. Takeda deixou o COI e o JOC no ano passado. O advogado de Takeda, Stephane Bonifassi, disse que Takeda negou qualquer delito.

Nakamura, que dirigia o negócio de esportes da Dentsu na época da campanha, disse aos investigadores do JOC que Dentsu “sabia mais” sobre os membros do COI e queria ajudar a causa japonesa.

A Dentsu supervisionou o lobby de alguns membros do COI por seus votos, disseram à Reuters três ex-lobistas de propostas de Tóquio, com foco nos membros do COI afiliados às federações de natação e atletismo para as quais a Dentsu já fornecia serviços de marketing.

Um dos lobistas, Haruyuki Takahashi, que era ex-chefe de Nakamura na Dentsu e ele próprio membro da campanha de Tóquio, disse à Reuters que Nakamura estava encarregado de garantir o apoio do uruguaio Julio Cesar Maglione, membro do COI e chefe da natação internacional e o ex-salto com vara ucraniano Sergey Bubka, vice-presidente sênior da Associação Internacional de Federações de Atletismo (IAAF), o órgão regulador global do atletismo.

Nakamura não respondeu diretamente às perguntas da Reuters enviadas por meio dos representantes da Dentsu. Dentsu disse que Nakamura não se aproximou de Maglione ou Bubka. Maglione disse em um e-mail à Reuters que exerceu suas responsabilidades “sem qualquer pressão”. Bubka disse que não estava envolvido na candidatura de Tóquio para vencer as Olimpíadas. “Sempre agi de maneira correta e ética”, disse ele à Reuters.

Uma das perguntas que os franceses buscam responder é como o consultor Tan começou a trabalhar para a licitação de Tóquio. Duas pessoas familiarizadas com a investigação francesa disseram à Reuters que os investigadores suspeitam que os US $ 2,3 milhões que o comitê de campanha de Tóquio pagou a Tan foi enviado por Tan a Papa Massata Diack, filho do membro do COI, Lamine Diack, para comprar votos para Tóquio. Na época, Lamine Diack também serviu como presidente da IAAF, que desde então foi rebatizada de World Athletics.

Papa Massata Diack negou qualquer irregularidade e disse à Reuters que não estava cooperando com nenhuma investigação sobre as Olimpíadas de Tóquio. Simon Ndiaye, advogado de Lamine Diack na França, disse à Reuters que Diack não teve nada a ver com alegações de suborno nos jogos.

Lamine Diack foi condenado na França em 16 de setembro em um caso separado por encobrir doping na Rússia em troca de suborno. Ele foi condenado a pelo menos dois anos de prisão. Seu filho, Papa Massata Diack, vive no Senegal, que se recusou a extraditá-lo para a França para ser julgado no caso de doping. A investigação da França na oferta de Tóquio continua.

Nakamura, o executivo da Dentsu, disse aos investigadores do JOC em 2016 que sua opinião sobre Tan foi solicitada por dois membros da campanha de Tóquio. Nakamura disse que respondeu que Tan havia feito um bom trabalho em outros grandes eventos esportivos e transmitiu seu apoio à contratação do consultor para Nobumoto Higuchi, na época secretário-geral da candidatura de Tóquio. A transcrição da entrevista de Nakamura mostra que ele também disse aos investigadores do JOC que Tan poderia “garantir” certos membros do COI, incluindo Bubka, embora ele tenha dito que não compartilhou essa observação com Higuchi.

Em entrevistas à Reuters, Higuchi e seu vice, Kohei Torita, disseram que a contribuição de Dentsu foi fundamental para a contratação de Tan. De acordo com a transcrição, Torita disse aos investigadores: “Queríamos fazer isso depois que o Sr. Nakamura disse ‘esse cara é muito bom’”.

Dentsu negou ter desempenhado um papel ativo na contratação de Tan ou no contato coordenado com ele. Em um comunicado à Reuters, Dentsu disse: “Não é verdade que nossa empresa estava coordenando a comunicação entre o comitê de licitação e Tan”.

Em uma declaração conjunta, os funcionários da licitação de Tóquio, Higuchi e Torita, disseram que o relacionamento do comitê com a Dentsu era apropriado. Eles não responderam a perguntas detalhadas sobre o que eles e outras pessoas disseram aos investigadores do JOC.

Depois de contratar Tan em julho de 2013, Torita disse que as autoridades envolvidas na campanha de Tóquio não tinham comunicação direta com ele. “Depois disso, Dentsu interveio como intermediário”, coordenando as comunicações e faturas, disse o ex-oficial da campanha de Tóquio aos investigadores do JOC, segundo transcrições de entrevistas vistas pela Reuters. Torita e Nakamura, da Dentsu, disseram aos investigadores que a Dentsu mantinha contatos frequentes com a empresa de Tan, a Black Tidings.

No final de julho, a Takeda aprovou o primeiro pagamento à Black Tidings, uma transferência de quase US $ 1 milhão, mostram os registros bancários vistos pela Reuters.

Pouco depois de Tóquio ter vencido as Olimpíadas em setembro de 2013, Dentsu contatou funcionários que trabalhavam para a campanha de Tóquio para retransmitir o pedido de Tan para pagamento adicional, disse Torita, sem identificar os funcionários.

Um mês depois, Tan recebeu um segundo pagamento de US $ 1,3 milhão do comitê de campanha de Tóquio, mostram os registros do banco. Torita, que criou o contrato para o pagamento, disse aos investigadores do JOC que foi uma “taxa de sucesso” paga aos consultores depois que Tóquio conquistou os Jogos.

O contrato, datado de 4 de outubro de 2013, visto pela Reuters, diz que o pagamento foi para um relatório de análise da campanha. Não menciona uma taxa de sucesso.

FONTE Reuters

Tan Tong Han, proprietário do Black Tidings, sai de um tribunal em Cingapura em 12 de abril de 2018. Crédito obrigatório Wong Kwai Chow / The Straits Times via REUTERS.