Dia 118 – Dias de folga no barco são os piores – The Longest Swim com Bem Lecomte

2 meses ago 0

Com Ben Lecomte na natação transoceânica de 8.721 entre o Japão e os USA
Dias de folga no barco por causa do mau tempo são os piores. Quando Ben não está nadando, todos sentem isso. Nossa casa se torna difícil de viver, rolando para frente e para trás, levantando nas ondas e batendo de novo. Cada lance e turno é sentida lá embaixo, de repente se torna uma missão ir a qualquer lugar ou fazer qualquer coisa.
Hoje, neste dia de mau tempo, fiquei na cozinha, embora fosse hora de outra rodada de refeições secas e congeladas. Ferver água não conta realmente como fazer almoço, mas nessas condições, é o melhor resultado que você pode esperar. Curry e lentilha de cevada, foi a seleção de hoje para o almoço. Mas depois de semanas sem verduras frescas, a cenoura reidratada e o brócolis são um luxo, pelo menos para mim. Ervilhas e milho enlatados começam a envelhecer.
Escalada é o método de se movimentar dentro do barco, sempre agarrando-se a algo para se sustentar, puxar-se em um canto ou descer pela escada. Onde quer que você esteja, alguma parte do seu corpo está sempre tensa enquanto você se prepara para não cair no chão. As pessoas lotam o salão, de maneiras desconfortáveis, para tentar assistir a um filme juntos, e se você não tem como se juntar à turma desajeitada, ir para o seu beliche é a única outra opção real. O tempo estava quente, com exceção da ocasional frente fria que chegava, então, mesmo com o ar frio e o mau tempo, os quartos sempre ficam quentes e úmidos. É sempre tentador abrir a escotilha para deixar entrar um pouco de ar frio, mas é um risco, pois cada onda, ao bater na proa, pode entrar no barco.
Maks sempre abre a nossa e esquece disso até você ouvir o estrondo da onda no barco e então 2 segundos depois, a água ao correr pelo convés entrar em nossa escotilha.
Se você conseguir sobreviver na sala quente e pegajosa, você terá que se deitar na cama novamente, lutando contra a gravidade para ficar deitado. Assistir a um filme ou ler um livro geralmente são os dois melhores matadores de tempo. Ou dormir. Se você conseguir controlar o calor e ficar na posição desconfortável, você tenta apenas permanecer na cama.
É um trabalho duro. Mais trabalho do que nos dias de natação para todos nós. Para Ben, acho que ele concordaria, ele realmente não parece funcionar nesses dias, onde se retira muito para sua cama. Aparecer para as refeições ou assistir a um filme nos momentos em que o barco está um pouco mais estável. Não querendo fazer muito com medo do enjoo.
Todos nós contamos o tempo e esperamos que a tempestade seja rápida. Porque um dia sem natação não é apenas desconfortável, mas são dias extras para a expedição. Dias extras não progredindo agem rapidamente na moral da equipe como um todo. É difícil ignorar que as pessoas perdem a motivação. Além disso, a dificuldade da vida a bordo nesses momentos turbulentos e a falta de motivação realmente dificultam a realização de qualquer coisa neste.
Há sempre algo para consertar, limpar, melhorar, mas nessas condições, filmes, livros e descanso são uma prioridade. Matar o tempo da maneira mais fácil é o primeiro objetivo de todos.
Quando finalmente o mau tempo passa, sabemos que podemos lançar Ben ao mar, nos alegramos, o clima fica imediatamente melhor. Os efeitos do mau tempo sempre perduram nos primeiros dois dias depois, entre a tripulação e Ben. Corpos estão fisicamente doloridos de todo o movimento violento de nossa casa nos lembrando que não estamos destinados a viver no oceano.
As pessoas são extremamente mal-humoradas por não dormir bem e Ben é geralmente menos falante no começo. A menos que tenha sido um dia particularmente difícil, voltar para a água geralmente o revitaliza, trazendo-o de volta à vida. Quando o tempo está ruim, não vemos o verdadeiro Ben até o dia seguinte, o primeiro dia de volta é apenas um dia doloroso no trabalho.
Eu me pergunto o que ele acha que mais prejudica fisicamente, o mau tempo sem dormir e sendo jogado ao redor no barco ou 8 horas de natação. Eu sei o que ele prefere …

Fonte http://www.lostaussies.com/the-swim-the-worst-days-day-118/
O blog http://thelongestswim.com/
A natação transoceânica de 8.721 quilômetros pode ser visto aqui http://thelongestswim.com/live-tracker/
e um link do Facebook está aqui https://www.facebook.com/BenLecomteTheSwim/
Por Ben Lecomte

[THE SWIM] The worst days, day 118

Days off on the boat because of bad weather are the worst. When Ben isn’t swimming everyone feels it. Our home becomes difficult to live in again, rolling back and forth, lifting on waves and slamming down again. Every toss and turn is felt down below, it suddenly becomes a mission to move anywhere or to do anything. These are the days I am are grateful I got the short straw the day before and had to cook because if you are unfortunate enough to be stuck in the kitchen when the boat is a carnival ride, the day off just got considerably worse.
Today this bad weather day off was a day for me back in the kitchen, fortunately, though it was time for another round of freeze dry meals. Boiling water doesn’t really count as cooking lunch but in these conditions, it’s the best result you could hope for. Nettle curry and barley lentil, probably the two least favourites, were today’s selection. But after weeks without fresh vegetables, the rehydrated carrot and broccoli in the nettle curry were a bit of a luxury, for me at least. Canned peas and corn have started to get old.
Climbing is the method of moving around inside the boat, always grabbing onto something to support yourself, to pull yourself around a corner or down the companionway. Everywhere you sit some part of your body is always tense while you brace yourself to not fall to the floor. People crowd the saloon in uncomfortable ways to try and watch a movie together, and if you don’t feel like joining the sweaty awkward mess then retreating to your bunk is the only other real option. The weather had been mostly hot with the exception of the occasional cold front coming over, so even with the cold air with the bad weather the bedrooms always stay hot and humid. It’s always tempting to open the bunk hatch to let some nice cool air in but it’s a risk of every wave crashing over the bow and making it into the boat. Maks always seems to open ours and forgets about it. It’s not until you hear the boom through the boat as the bow crashed into a wave and then 2 seconds later as the front of boat lifts back up in the air, the water rushes down the deck of the boat and into our hatch. You hear the sound of bucks of water raining down on the floor usually followed by a frustrated call from Yoav “MAKS!!!!!”
If you can manage to survive in the hot sticky room, depending on the tack, you either have to lie on the wall or the pole of the edge of the bed again fighting gravity to put you on the floor. Watching a movie or reading a book are generally two best time killers. Or sleeping. If you can manage in the heat and the awkward position you have to be in just to remain in the bunk. It’s hard work. Harder work than days of swimming for all of us. For Ben, I think he would agree, he really doesn’t seem to function on these days retreating to his bunk a lot. Surfacing for meals or to watch a movie at moments when the boat is a little more stable. Not wanting to do a lot in fear of seasickness. We all count down the time and hope it passes quick. Because no swim days are not just uncomfortable living but they are extra days onto the expedition. Extra days out here making no progress and it quickly eats into the moral of the team as a whole. It’s hard to ignore and people lose motivation. Plus the difficulty of life on board in these moments and the lack of motivation really make it difficult to achieve anything in this time. There is always something to repair, to service, to clean, to improve but in these conditions movies, books and rest a priority. Killing time in the easiest fashion is everyone’s first goal.
When it finally passes and we know we can launch ben the next day, we rejoice, the mood is immediately better. The effects of the bad weather always linger for the first day or two amongst the crew and Ben. Bodies are physically sore from all the violent motion of our home reminding us we are not meant to live in the ocean. People are extra grumpy from not sleeping well and Ben is generally less talkative at first. Unless it’s been a particularly rough day off, getting back into the water usually revitalizes him, bringing him back to life. When it’s bad we don’t see real Ben until the following day, the first day back is just a painful day back at work. I wonder what he finds more physically draining, the bad weather no sleep and being thrown around in the boat or 8 hours of swimming. I know what he prefers…

 

Responsabilidade Social
O Portal Francisswim.com.br promove diversas ações e projetos visando inclusão social e responsabilidade ambiental que são compartilhadas em nossas plataformas de redes sociais.
Social Responsability
The Francisswim.com.br Portal promotes diverse actions and projects aiming at social inclusion and environmental responsibility that are shared in our platforms of social networks.

Saiba mais sobre a Casa de Apoio Madre Ana
A Casa de Apoio Madre Ana proporciona um acolhimento digno a pacientes pediátricos e adultos portadores de câncer, transplantados, com problemas cardíacos, dentre outros, juntamente com seus acompanhantes vindos do interior do Estado e de outros estados brasileiros. São pessoas de baixa renda que necessitam de um suporte integral durante o período do seu tratamento na Santa Casa.
Os hóspedes recebem moradia, alimentação, material de higiene e conforto espiritual sem nenhum custo. Tudo com um único objetivo: aumentar as chances de cura dos nossos pacientes assistidos.
O leitor do site Francisswim.com.br que quer contribuir pode clicar na logomarca da Casa de Apoio Madre Ana e adicionar uma doação. Além disso, também é possível ser doador mensal para tanto, basta acessar o link: https://goo.gl/cK5wHb

Saiba mais sobre o Banco de Alimentos
O Banco de Alimentos atua como um gerenciador de desperdícios administrando três operações: coleta de doações, armazenamento, e distribuição qualificada de alimentos para entidades beneficentes, tais como creches, asilos, lares de excepcionais, entre outras ongs. A Rede de Bancos de Alimentos do Rio Grande do Sul possui 23 Bancos de Alimentos associados no Estado, os quais doam mais de 500 toneladas de alimentos para 900 instituições, todos os meses. Além da doação de alimentos, desenvolve projetos de nutrição em parceria com as principais universidades Gaúchas, levando mais Segurança Alimentar e Nutricional para as pessoas atendidas nas entidades beneficentes. Participe dessa luta contra a fome e a miséria, entre em contato com o Banco de Alimentos! Telefone: 51-3026.8020 – E-mail: bancodealimentos@bancodealimentosRS.org.br.
Site para maiores informações: http://www.redebancodealimentos.org.br/Inicial