Ginger Huber (EUA) Meu coração e minha alma sempre estarão pulando de lugares altos

1 mês ago 0

Pedro Adrega, Editor Chefe da revista “FINA Aquatics World”
No ano em que comemorou seu 45 º aniversário, Ginger Huber provavelmente terminou uma carreira de mergulho com uma longevidade excepcional. A americana competiu pela última vez na Copa do Mundo FINA em Zhaoqing (CHN) no final de maio de 2019, após duas etapas da Red Bull Cliff Diving World Series e, no momento, ansiosa por mais grandes eventos que estão por vir. Mas então veio uma grave lesão nas costas. Ela não pôde participar do Campeonato Mundial FINA em Gwangju (KOR) em julho e perdeu o resto do circuito da Red Bull. E então, no início de 2020, veio a pandemia do coronavírus, interrompendo todas as atividades esportivas em todo o mundo. “Talvez seja um sinal de que é hora de se aposentar”, admitiu Huber, ainda sob os efeitos do confinamento na Flórida, onde mora.
Huber, nascida em 6 de dezembro de 1974, tem sido uma presença constante nos eventos da FINA desde que os saltos em altura passou a fazer parte do programa da federação em 2013. Ela foi medalha de prata nos dois primeiros eventos sob a égide da FINA, o Campeonato Mundial de 2013 em Barcelona (ESP) e a edição inaugural da Copa do Mundo, em 2014, em Kazan (RUS). Ela foi a sexta na Copa do Mundo de 2015 em Cozumel (MEX) e no Campeonato Mundial de Kazan de 2015. Nas três edições seguintes da Copa do Mundo, todas em Abu Dhabi, ela foi respectivamente terceira em 2016, quarta em 2017 e quinta em 2018. Em sua última participação no Campeonato Mundial, em Budapeste 2017, ela foi a nona (a mesma colocação como em 2019 na Copa do Mundo na China).
No Circuito Red Bull, Huber foi convidada a participar da primeira competição feminina em 2013. A experiência foi um sucesso – ela ficou em segundo lugar em Malcesine (ITA), única prova da temporada. Ela terminou em quarto lugar na série em 2014, conquistando duas medalhas de bronze, na Noruega e no México, e foi vice-campeã geral em 2015, levando a medalha de prata na Itália. Foi então a sexta em 2016 (destaque: segunda no Japão), quarta em 2017 (prata na Irlanda) e sexta em 2018. No ano passado, ela participou apenas dos dois primeiros eventos da série, com sexto lugar nas Filipinas e Irlanda.

Huber começou a mergulhar em meados da década de 1990 e após se formar na universidade (em 1997) foi contatada por uma empresa de entretenimento que operava shows de mergulho. Ela começou realizando saltos regulares, mas com um forte desejo de aprender e profunda paixão por todas as formas de mergulho, ela começou a observar alguns dos mergulhadores veteranos e aprendeu com eles habilidades e técnicas preciosas. Gradualmente, ela progrediu da plataforma de 10m para as pranchas mais altas e tornou-se com o tempo uma das melhores atletas do circuito mundial de saltos em altura.
Após 25 anos de mergulho profissional, sua mente forte e determinada ainda a empurra para o topo da plataforma, mas o corpo começa a dar sinais de cansaço. Assim como o ex-campeão mundial masculino Orlando Duque (COL), que também se aposentou em 2019 aos 45 anos, ela é frequentemente citada como exemplo de perseverança e longevidade por todos aqueles que competem com ela. Ginger Huber é um modelo e sua carreira certamente proporcionará inspiração adicional para todas as mulheres atraídas pelo mergulho.

É oficial? Você está aposentada do esporte?
Não sei se algum dia me aposentarei oficialmente. Minha mente não me deixa. Meu corpo conta uma história diferente, mas meu coração e minha alma sempre estarão pulando de lugares altos.

Suas últimas competições oficiais foram a etapa irlandesa da Red Bull Series e a Copa do Mundo FINA, ambas em maio. Depois disso, você perdeu o Campeonato Mundial em Gwangju. Isso já era consequência dessa aposentadoria, ou uma causa para ela?
Apenas um mês antes do Campeonato Mundial, eu tive uma hérnia de um disco nas minhas costas. A hérnia também comprimiu um nervo da minha perna, o que me impediu de pular. Fui para Gwangju na esperança de que os nervos ficassem menos agravados e que talvez houvesse uma pequena chance de eu conseguir mergulhar. Não pude mergulhar, mas pude estar lá e apoiar meus colegas mergulhadores.

Foi difícil aceitar que você não poderia finalmente competir no Mundial da Coreia?
Como atleta, é difícil ficar sentado à margem de uma lesão. Mas, ao longo dos anos, aprendi que, quando uma lesão acontece, a melhor coisa a fazer é permanecer positivo. Se eu deixar o arrependimento e a frustração crescerem em minha mente, isso geralmente fará com que eu me cure em um ritmo mais lento.

Você é um atleta e um ser humano fantásticos. O que esse esporte trouxe para você, justamente como atleta e como pessoa?
O mergulho de altura me trouxe esperança às pessoas. É diferente da maioria dos outros esportes porque a maioria dos outros grandes mergulhadores geralmente se preocupam com o bem-estar de seus colegas competidores. Somos competitivos uns com os outros, mas todos queremos ter sucesso, e todos amamos o esporte intensamente. E a esperança se ampliou ainda mais com o crescimento do esporte e com o apoio que o mundo está começando a dar ao mergulho em altura.

É hora de relembrar bons momentos dessa longa carreira: você pode nos contar três boas lembranças?
Honestamente, todas as minhas memórias de mergulho são boas. Mesmo quando me machucava ou perdia o pódio por menos de um ponto, refletia sobre cada momento como um aprendizado. Mas vou te dar três que trazem um grande sorriso ao meu rosto: Número 1: Minha mãe me observando mergulhar em Polignano a Mare, Itália, em 2018. Número 2: Executar com sucesso meu triplo frontal na minha segunda tentativa de mergulho (também em Polignano). Número 3: Equipe dos EUA conquistando o pódio na Copa do Mundo em Kazan 2014 (Rachelle Simpson 1ª, Ginger Huber 2ª, Cesilie Carlton 3ª).

E talvez alguns menos felizes?
A memória menos feliz para mim foi quando machuquei meu joelho no Chile durante o treino. Eu não fui capaz de competir. As condições no Chile eram MUITO frias e fiquei muito impressionado com a força de todos os mergulhadores nessas condições. Mas eu queria subir nos penhascos com eles e apoiá-los de lá, e não de baixo.

Você tem sido um exemplo para todos os mergulhadores. Você também é uma grande divulgadora do mergulho em altura nas Olimpíadas. A falta de meninas praticando o esporte. O que pode ser feito?
Muito poucas federações fornecem apoio adequado para que as mulheres se comprometam a treinar e competir como meio de se sustentar. Existem muito mais mergulhadoras no mundo do que a maioria das pessoas viu no Red Bull ou competindo em eventos da FINA. O problema é que elas estão trabalhando em um show que não lhes permite deixar o trabalho para competir ou trabalhar é um pouco mais confiável e menos arriscado do que ir para competições. As federações precisam descobrir uma maneira de ajudar a apoiar mais atletas do sexo feminino, e também acho que mais mulheres serão atraídas para competir se virem os anéis olímpicos no horizonte.

Desde o momento em que decidiu se aposentar, até a situação do COVID-19, como foi sua vida?
No último ano, fui coaching de mergulho e consultora para uma empresa de entretenimento. Minha vida antes de tudo isso era muito boa, com planos de competir em duas competições da Red Bull em 2020 e possivelmente representar a equipe dos EUA na Copa do Mundo [inicialmente marcada para julho de 2020 em Kazan].

Chegando ao momento presente, como você pessoalmente percebeu essa pandemia? Primeiro foi algo distante (na China) e depois evoluiu para o mundo inteiro. Você já imaginou que tomaria essas proporções?
Como tenho amigos que moram em todo o mundo, gostaria de contatá-los e saber como a Covid-19 estava afetando sua cidade / país. Assim que se espalhou pela Europa, eu sabia que era apenas uma questão de tempo até que viesse para os EUA.

Quais foram os efeitos dessas medidas em sua vida?
Os efeitos são que não vou treinar ou competir este ano, pois as competições estão todas canceladas. Talvez este seja o mundo me dando um sinal de que é hora de me aposentar (sorrindo).

Depois que tudo isso acabar, se você tivesse que guardar apenas um momento / memória desse período, qual seria?
Vou lembrar para sempre como o mundo inteiro trabalhou junto para combater esse vírus. É incrível como as pessoas podem trabalhar juntas em momentos de necessidade. Mas também me lembrarei do tempo que pude passar com meu marido. Ele viaja muito e, felizmente para mim, não ficou preso em nenhum lugar longe de casa e pudemos estar juntos durante esse período.

A parte mental disso também é muito importante. Você sentiu algum tipo de ansiedade, medo do desconhecido? Que estratégias você tem para ajudá-lo?
Eu percebi que não estava dormindo bem à noite. Então, deve ter havido alguma ansiedade subjacente em mim sobre o que estava acontecendo no mundo. Mas meu marido me conhece melhor do que eu mesma e ele me deu um cachorrinho. Eu amo cachorros! E o cachorrinho foi uma lufada de ar fresco para mim. Sem mencionar que ele ocupa a maior parte do meu dia, então ele é uma ótima distração da pandemia.

Em uma nota mais filosófica, você acha que essa crise vai de alguma forma mudar o mundo? Estaremos vivendo em um ritmo diferente? Ou tudo ficará normal como antes?
Acho que o mundo vai ter um ritmo diferente por um bom tempo. As pessoas estão mais conscientes da higiene e do espaço pessoal e será um ritmo lento se voltarmos a como as coisas eram antes de 2020.

Você, concretamente, quais são seus planos futuros?
Meus planos para o futuro são continuar envolvida com o mergulho em altura. Eu gostaria de treinar e estar envolvido nos campos de treinamento. Também adoraria continuar a fazer mergulho! Alguns dos mergulhadores masculinos sempre falam sobre a organização de um evento master de mergulho (que seria de alturas um pouco mais baixas) e eu adoraria participar disso.

* Este artigo pode ser encontrado na Revista FINA (2020/3)
FONTE REVISTA FINA

Você está procurando um refúgio tropical e um espetacular evento de natação em águas abertas? Então, temos algo para você! Ocean Swim Fiji, evento de classe mundial, em um local de praias e ilhas de tirar o fôlego, com a hospitalidade clássica dos habitantes da ilha Fiji, este é o seu mergulho para 2020. Comece a planejar sua viagem ao paraíso hoje! Saiba mais https://oceanswimfiji.com/

Treine com o melhor e nade um nível acima. A marca arena oferece produtos de alta tecnologia para você treinar ou competir. Compre pelo site oficial:  https://arenawaterinstinct.com.br/ com o cupom #arenafrancis para ganhar 12% de desconto

O Projeto Nadando Pelos Cartões Postais busca unir esporte e a conscientização ecológica com as suas atividades de águas abertas. Saiba mais como participar e apoiar este projeto no https://www.facebook.com/worldswim/