Governo japonês prolonga estado de emergência meses antes das Olimpíadas

2 meses ago 0

O Japão anunciou na terça-feira que está estendendo o estado de emergência do coronavírus em Tóquio e em outras nove áreas até 7 de março.

O anúncio do primeiro-ministro Yoshihide Suga ocorre em meio à crescente incerteza sobre o lançamento nacional de vacinas e a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio neste verão.

Sob o estado de emergência, o governo emitiu pedidos não vinculativos para que as pessoas evitem multidões e comam fora em grupos e para que restaurantes e bares fechem às 20h.

Novos casos diminuíram em Tóquio e em todo o país desde o início de janeiro, mas os especialistas dizem que os hospitais continuam inundados com casos graves e que as medidas preventivas devem permanecer em vigor. O Japão teve cerca de 400.000 casos de coronavírus, incluindo 5.800 mortes.

“Ainda precisamos acompanhar de perto a situação”, disse a ministra da Saúde, Norihisa Tamura, na terça-feira. Cerca de 80% dos casos no Japão ocorrem nas 10 prefeituras sob emergência, disse ele.

A emergência terminará no domingo, conforme planejado anteriormente em uma prefeitura, Tochigi, ao norte de Tóquio, onde a situação melhorou. Ele permanecerá em funcionamento em Tóquio e seus vizinhos Saitama, Chiba e Kanagawa, bem como em Osaka, Kyoto, Hyogo e Fukuoka no oeste e Aichi e Gifu no Japão central.

Além do pedido para que os bares e restaurantes fechassem mais cedo, os empregadores foram solicitados a providenciar que mais funcionários trabalhassem em casa. Além disso, o governo vai expandir os testes, disseram as autoridades.

Ao contrário da primeira emergência no Japão em abril e maio do ano passado, escolas, academias, teatros e lojas permanecem abertos, embora algumas lojas estejam fechando voluntariamente mais cedo.

Suga assumiu o cargo em setembro e prometeu colocar a economia de volta nos trilhos, mantendo as infecções por coronavírus sob controle. Ele diz que está determinado a realizar as Olimpíadas de Tóquio neste verão. Suga prometeu garantir vacinas suficientes para cobrir toda a população do Japão de 127 milhões até junho, mas nenhuma foi aprovada ainda.

O Ministro da Reforma Administrativa, Taro Kono, responsável pelas vacinas COVID-19, levantou preocupação na terça-feira sobre o atraso na distribuição de vacinas feitas na Europa, dizendo que os preparativos do Japão foram afetados pela falta de clareza da UE. “Nosso cronograma de fornecimento de vacinas ainda não foi finalizado”, disse Kono.

As autoridades japonesas esperam lançar vacinas no final de fevereiro com vacinas da Pfizer, algumas das quais são produzidas na UE, começando com trabalhadores médicos, em seguida, idosos e outros com problemas de saúde subjacentes. O público em geral não deve receber vacinas até por volta de junho, e a obtenção de “imunidade de rebanho” antes das Olimpíadas de julho é considerada improvável, especialmente em um país conhecido pelo ceticismo à vacina.

Suga tem enfrentado críticas por adiar as ações antivírus até o final de dezembro, quando finalmente suspendeu as campanhas de promoção de turismo e restaurantes subsidiadas pelo governo. Ele foi visto como lento demais para agir até que os líderes locais imploraram pela liderança do governo. O número de novas infecções diárias e mortes quase dobrou em um mês entre novembro e dezembro.

As avaliações de apoio ao governo de Suga despencaram nas pesquisas recentes, que mostraram a insatisfação do público com o manejo do vírus.

Associated Press