Grande golpe para os atletas solteiros nas novas regras da Vila Olímpica de Tóquio

2 semanas ago 0

As vilas dos atletas olímpicos são conhecidas por serem um foco de atividade sexual, com atletas solteiros prontos para se acasalarem quando seus eventos terminam.

Um dos exemplos mais famosos veio nos Jogos de 2016 no Rio, quando a brasileira Ingrid Oliveira supostamente correu sua colega de mergulho sincronizado para fora do quarto para que ela pudesse ficar com um canoísta.

As travessuras da vila são tão conhecidas que os organizadores distribuem cerca de 450 mil preservativos para os atletas do Rio 2016.

Mas as coisas serão muito diferentes nas Olimpíadas de 2021 em Tóquio, depois que o COI anunciou algumas mudanças importantes na quarta-feira. Os atletas dos Jogos de Tóquio não poderão ficar no vilarejo depois de encerrar seus eventos. Não haverá festas noturnas na aldeia e certamente nenhuma noite – ou madrugada – na cidade.

Em vez de conhecer seus vizinhos globais, os atletas olímpicos serão incentivados a deixar o Japão um ou dois dias após o término da competição.

John Coates, oficial do Comitê Olímpico Internacional Australiano (COI), disse que a vila dos atletas construída para esse fim deve ser o lugar mais seguro de Tóquio.

O presidente do COI, Thomas Bach, e outras autoridades estiveram na capital japonesa esta semana como uma demonstração de apoio aos organizadores enquanto tentam organizar os Jogos, apesar da pandemia COVID-19.

Espera-se que mais de 11.000 atletas desçam em Tóquio para as Olimpíadas e milhares mais virão para as Paraolimpíadas subsequentes. A maioria ficará na vila dos atletas.

Coates, que acompanhou Bach à capital japonesa em sua posição como Comitê de Coordenação dos Jogos do COI, disse que o número de atletas não será reduzido e que caberá aos organizadores fazer com que eles se sintam seguros. “Temos que nos certificar de que a vila olímpica é … o lugar mais seguro de Tóquio”, disse Coates. “Os atletas têm que ter confiança na segurança disso.”

No entanto, quebrando a tradição, Coates disse que os atletas não poderiam permanecer na vila após os Jogos. “Os atletas, assim que terminar a competição, terão um dia, dois dias e depois irão para casa”, disse. “O período de permanência mais tempo em uma aldeia aumenta o potencial de problemas.”

Ingrid Oliveira estave no centro de um frenesi da mídia internacional no Rio quando sua parceira de mergulho sincronizado Giovanna Pedroso afirmou que havia sido expulsa do quarto que dividiam para que Oliveira pudesse passar a noite com o canoísta Pedro Gonçalves.

Relatos afirmam que Oliveira e Gonçalves tiveram uma “maratona de sexo”, que gerou um rompimento entre Oliveira e Pedroso e as viu terminar em último lugar na plataforma de 10m. Oliveira admitiu que dormiu com Gonçalves, mas disse que é perfeitamente normal que os atletas fiquem na aldeia. “As pessoas não sabem, mas nas Olimpíadas é normal”, disse ela no ano passado. “Você deveria ter visto a quantidade de preservativos que foram distribuídos na Vila Olímpica. “Eles estavam por toda parte, incluindo a cantina e não estavam lá para as pessoas fazerem balões.”

YahooSport

Ingrid Oliveira e Giovanna Pedroso competem nas Olimpíadas Rio 2016. (Foto de Clive Rose / Getty Images)

Fonte http://www.zwemza.com/?p=59425

Francisswim.com.br um novo jeito de publicar notícias dos esportes aquáticos