Hungria e Israel começam a vacinar contra o COVID-19 atletas Olímpicos (Israel não incluiu palestinos em territórios ocupados)

2 anos ago 0

Os Comitês Olímpicos da Hungria (HOC) e Israel começaram a vacinar atletas contra COVID-19 antes de sua participação nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2021 e Pequim 2022.

O HOC disse que entrou com um pedido com o governo húngaro semanas atrás para garantir a vacinação dos atletas que se preparam para os Jogos Olímpicos. Uma lista total de 868 participantes potenciais em Tóquio 2020 ou Pequim 2022 foi compilada pelo HOC. A organização disse que isso não inclui líderes do esporte, pois está focando apenas nas pessoas que desejam participar dos Jogos.

Outras vacinações de atletas e profissionais adicionais que trabalham diretamente ao lado deles estão planejadas para as próximas semanas, com ordens de vacinação baseadas em um calendário compilado a partir das datas dos eventos de qualificação olímpica e campos de treinamento supervisionados.

Como uma organização com desempenho olímpico em mente, dois fatores importantes levaram à decisão, dizia um comunicado do HOC. Um é a participação descomplicada em eventos de qualificação olímpica no exterior, e o outro é o declínio forçado devido a vários meses de ausência devido a possíveis doenças. A experiência até o momento tem mostrado que este último aspecto também representa um obstáculo para nossos atletas nas melhores condições, que é impossível de superar em poucos meses. O cálculo quantitativo realizado mostrou que havia centenas de pessoas envolvidas.

A Hungria vacinou profissionais médicos até o momento e iniciou o processo de inoculação de idosos. O país se tornou o primeiro país da União Europeia a aprovar o uso do Sputnik V da Rússia no início deste mês, embora já tenha aprovado a vacina Sinopharm da China.

Este último foi usado na Sérvia, com 426.615 pessoas no país tendo sido vacinadas até o momento. O Comitê Olímpico da Sérvia e o Ministério do Esporte confirmaram ontem que a vacinação dos atletas vai começar, caso os atletas aceitem. A vacinação dos atletas não deve ser obrigatória, mas é desejável para garantir a segurança e a saúde dos atletas e da população em geral , diz o comunicado, segundo a Reuters .

O Comitê Olímpico de Israel disse que vacinou metade de sua delegação para Tóquio 2021. A expectativa da entidade é concluir o processo até o final de maio. Israel é a nação mais vacinada do mundo contra o COVID-19 até o momento.

Israel atualmente lidera o mundo em vacinação per capita, tendo inoculado cerca de 50 por cento de sua população de 9 milhões com pelo menos uma dose, mas também enfrentou críticas por não vacinar palestinos em territórios ocupados.

O Comitê Olímpico e Interfederal da Bélgica (BOIC) no início desta semana solicitou de 400 a 500 vacinas COVID-19 para atletas antes de Tóquio 2020.

Embora o Comitê Olímpico Internacional (COI) e Tóquio 2020 tenham enfatizado que as vacinas não serão uma “bala de prata” para os Jogos, seu desenvolvimento, no entanto, aumentou as esperanças de que a competição prossiga.

Isso gerou um debate sobre a vacinação de atletas em meio a sugestões de priorização.

O COI disse repetidamente que não vai saltar a fila à frente daqueles que mais precisam de vacinação e insistiu que não será obrigatório para os atletas competirem nos Jogos, mas esta semana pediu aos Comitês Olímpicos Nacionais (CONs) que se envolvam ativamente com seus respectivos governos para obter uma “imagem completa” da situação da vacinação em seus países. Os CONs devem apresentar um relatório ao COI no início de fevereiro.

O presidente do COI, Thomas Bach, também disse aos membros e CONs nas ligações que a organização e a Organização Mundial da Saúde ajudariam os CONs que lutam para obter vacinas antes dos Jogos.

Os Jogos Olímpicos de Tóquio 2021 estão programados para ocorrer de 23 de julho a 8 de agosto, com os Jogos Paralímpicos ocorrendo de 24 de agosto a 5 de setembro.

Michael Pavitt | Por Dentro dos Jogos