Ilha de lixo do Oceano Pacífico já é maior que Peru e Equador

2 anos ago 0

Um novo estudo mostra como a grande ilha de lixo plástico que flutua entre o Havaí e a Califórnia cresce.
A gigantesca ilha de lixo no Oceano Pacífico está crescendo em alta velocidade, de acordo com uma nova pesquisa publicada na revista Nature.

Segundo o estudo, essa área de resíduos que se expande em 1,6 milhão de quilômetros quadrados – ou seja, quase o triplo do tamanho da França – contém cerca de 80 mil toneladas de plástico.

Este valor é 16 vezes maior do que o relatado anteriormente.

Um local específico dentro dessa área também tem a maior concentração de plástico já registrada.

“A concentração de plástico está aumentando, acho que a situação está piorando”, disse Laurent Lebreton, principal autor do estudo da Ocean Cleanup Foundation em Deltf, Holanda.
“Isso destaca a urgência de tomar medidas para impedir a chegada de plásticos no oceano e para limpar o desastre existente”.

O lixo se acumula em todos os oceanos, mas o maior deles é o do Pacífico, entre o Havaí e a Califórnia.

Esta área de lixo é frequentemente descrita como uma massa ou uma ilha, embora na realidade seja uma área com uma grande concentração de plástico que aumenta à medida que se aproxima do seu centro.

“Quantidade “chocante”

Pesquisadores usaram barcos e aviões para mapear essa área no norte do Oceano Pacífico, onde correntes e ventos rotativos fazem com que detritos marinhos se convertam, incluindo plástico, algas e plâncton.
O trabalho, que foi realizado ao longo de três anos, mostrou que a contaminação do plástico está “aumentando exponencialmente e em um ritmo mais rápido do que a água ao redor”, disse a equipe internacional de pesquisadores.

Os microplásticos representam 8% do total da massa plástica flutuante.

Dos 1,8 bilhões de peças de plástico, algumas são maiores que os microplásticos, incluindo pedaços de redes de pesca, brinquedos e até mesmo um assento sanitário.
Erik van Sebille, da Universidade de Utrecht, na Holanda, que não participou do estudo, disse que a quantidade de lixo encontrada é “chocante”.

“Embora as estimativas tenham um alcance incerto, elas falam de uma enorme quantidade de plástico.”

“E eles também descobriram que a ilha está se movendo mais do que o esperado.”

Mudanças no uso

O uso de novos meios de medição aérea e marítima explica, em parte, por que as novas estimativas são maiores do que no passado.
No entanto, as diferenças também podem ser devidas ao aumento nos níveis de poluição plástica ao longo do tempo, uma vez que os estudos anteriores foram feitos.

A quantidade de plástico que atingiu o mar após o terremoto e tsunami no Japão em 2011 pode ser a causa de pelo menos 20% do plástico acumulado nos últimos anos, diz o estudo.

O que o estudo descobriu

► Plásticos compõem 99,9% de todos os resíduos nesta parte do oceano.
► Pelo menos 46% dos plásticos são redes de pesca e mais de três quartos dos plásticos eram peças de mais de 5 cm, incluindo plásticos duros, folhas de plástico e filme plástico.
►Embora a maior parte do lixo tenha sido fragmentada, eles observaram um pequeno número de objetos: recipientes, garrafas, tampas, fitas de embalagem, cordas e redes de pesca.
►Nos 50 objetos, a data de produção pode ser lida: um foi de 1977, sete dos anos 80, 17 dos anos 90, 24 dos anos 2000 e um de 2010.
► Apenas um tipo de lixo era espesso o suficiente para flutuar e permanecer no lugar, como plásticos comuns, como polietileno e polipropileno, que são usados em embalagens.

A cada ano, milhões de toneladas de plástico entram no oceano. Algumas peças acabam nos grandes sistemas de circulação das correntes oceânicas, conhecidas como voltas.
Uma vez apanhados nas reviravoltas, os plásticos se desintegram e se transformam em microplásticos, e é assim que eles podem ser ingeridos por criaturas marinhas.

A mensagem do estudo é clara, diz Laurent Lebreton.

“Tudo volta a como usamos o plástico”, explica ele.

“Não podemos nos livrar dos plásticos, na minha opinião eles são muito úteis em medicina, transporte e construção, mas acho que devemos mudar a maneira como os usamos, especialmente aqueles que são usados apenas uma vez e os objetos que têm uma vida. muito curto útil “.

Fonte https://elcomercio.pe/tecnologia/ciencias/gigantesca-isla-basura-residuos-pacifico-triplico-tamano-francia-noticia-506988

Clique nas imagens abaixo para ter acesso as ofertas: