Jaimie Monahan a mulher que planeja nadar ao redor do mundo

1 ano ago 0

Por Kaya Laterman

“Eu na verdade não me vejo como uma super atleta”, disse Monahan. “Mais ou menos como um pinguim, desajeitado em terra, mas graciosa na água ”.

O tempo não estava cooperando com Jaimie Monahan em uma manhã de um fim de semana recente. Tinha chovido muito na noite anterior, com muito vento e ondas fortes ao raiar do dia para ela nadar sua rota planejada de 12 milhas, da Ponte do Brooklyn até Coney Island.

Embora as condições na Baía de Nova York e no Oceano Atlântico tinham melhorado após o nascer do sol, Monahan perdeu sua chance de treinar para o Rose Pitonof Swim, uma prova de 17 quilômetros em meados de agosto. Em vez disso, ela participou de uma sessão matinal de ioga em Brighton Beach, organizada por Cibbows, os nadadores de águas abertas de Coney Island Brighton Beach.

“A maré, a água quente ou fria, a vida selvagem, o clima, tudo afeta a natação em águas abertas”, disse ela.

Monahan, de 38 anos, registrou mais de 75 grandes eventos de natação nos últimos 10 anos como nadadora de águas abertas, gelo e inverno (o total sobe para 300 se você incluir eventos menores), ganhando numerosos elogios ao longo do caminho. Ela é sete vezes campeã nacional dos Estados Unidos em natação de inverno, e foi introduzida este ano na Maratona Internacional Swimming Hall of Fame, além de ser nomeada a Mulher do Ano pela Associação Mundial de Natação em Águas Abertas para 2016 e 2017.

Como se ela não estivesse ocupada o suficiente nadando e coletando prêmios, Monahan também tem um emprego em período integral como recrutadora para a Deloitte, a empresa global de auditoria e consultoria. Mas este mês, ela não estará colocando muito tempo no trabalho. Monahan tentará obter o Recorde Mundial do Guinness como a pessoa mais rápida a completar seis provas de maratona em seis continentes dentro de 16 dias (um evento de natação em maratona, que pode variar em distância, deve ser de pelo menos 6,2 milhas). Seu primeiro evento de qualificação será o Pitonof Swim, que começará em Manhattan na East 26th Street e terminará no Steeplechase Pier em Coney Island.

 

Mais tarde naquele dia, ela irá ao aeroporto para um voo para a Colômbia. Seguindo em rápida sucessão serão voos e mergulhos nas águas da Austrália, Cingapura, Egito e Suíça.

“Na verdade, não me vejo como superatleta”, disse ela. “Mais ou menos como um pinguim, desajeitado na terra, mas graciosa na água”.

Monahan sempre foi nadadora – ela nadou borboleta e medley individual para suas equipes de ensino médio e faculdade – mas seu amor pela natação em águas abertas não se tornou uma paixão até que ela começou a treinar para um triathlon com seu namorado Arik Thormahlen.

Ela então leu sobre Rose Pitonof, uma adolescente que nadou de Manhattan para Coney Island em 1911 (o evento nomeado após a sra. Pitonof seguir sua trajetória original), e Lynne Cox, uma atleta talvez mais conhecida por nadar pelo Estreito de Bering. Ela achou essas mulheres tão inspiradoras que alimentaram ainda mais seu interesse. Depois de participar de eventos na Califórnia e na Flórida como teste, Monahan nadou no Canal da Mancha em 2009.

“Jaimie carrega o amor e o espírito que Rose tinha”, disse Deanne Draeger, fundadora do Urban Swim, um grupo local que organiza o programa anual de natação Pitonof e outros programas de defesa da água limpa. “Ambas são vivazes, charmosas e apaixonadas”.

Depois de se tornar a primeira pessoa a completar o Desafio dos Sete Gelos, onde as regras estipulam que a temperatura da água seja inferior a 41 graus Fahrenheit e que sete mergulhos de uma milha devem ser realizados em todos os sete continentes, Monahan disse que precisava de um novo objetivo. Dois anos atrás, ela começou a planejar sua maratona de natação.

 

Foto Monahan, que foi nomeada Mulher do Ano pela Associação Mundial de Natação em Águas Abertas , tentará se tornar a pessoa mais rápida a completar seis maratonas em seis continentes dentro de 16 dias.
CréditoMariano Carrasquero / The New York Time

Quando a programação da Deloitte permite, a Sra. Monahan gosta de se exercitar de quatro a sete vezes por semana, o que inclui exercícios de alta intensidade na academia, ioga e natação, tanto em ambientes internos quanto externos. Nos fins de semana, ela se junta a natação em grupo ou faz longos passeios solo organizados por Cibbows.

E há muito a se organizar. Capri Djatiasmoro, que está na diretoria da Cibbows, às vezes precisa obter autorização da Guarda Costeira dos Estados Unidos e notificar a unidade portuária do Departamento de Polícia de Nova York sobre as rotas de natação e horários de início. Um barco policial sempre acompanha os mergulhos e, dependendo do local do curso, o Departamento de Parques e Recreação da cidade também deve ser notificado.

Durante mergulhos de longa distância, a Sra. Djatiasmoro, junto com o capitão do barco e o Sr. Thormahlen, está ao lado da Sra. Monahan em um barco inflável de casco rígido. Usando sonar, radar e seus próprios olhos, Djatiasmoro disse que está sempre em busca de outros barcos, jet skis, detritos e, às vezes, pássaros.

“Às vezes você olha para cima e vê muitos pássaros circulando acima e você sabe que há peixes debaixo do nadador, então você altera um pouco o curso deles”, disse ela.

Organizar o próximo desafio levou mais de um ano. Além de logística como reserva de voos e acomodações, Monahan teve que obter permissão das autoridades certas para nadar em várias águas internacionais. Thormahlen, que disse estar feliz em fazer grande parte da pesquisa sobre equipamentos, está animado para experimentar um novo tipo de caiaque oceânico, que, inspirado pelo origami, se transforma em um pacote compacto.

“Quando a abri pela primeira vez em nossa casa, ela tomou conta de toda a nossa cozinha”, disse Thormahlen sobre o Oru Kayak. Ele estará viajando com a Sra. Monahan para todos os seus mergulhos e usando o caiaque para ajudá-la a permanecer no curso.

Além de levar oito roupas de banho, Monahan, que tem pele muito clara, planeja tomar 24 gramas de Desitin, um creme para assaduras, que ela usa em vez de protetor solar, e sacos de pó CarboPro, um suplemento energético, que ela bebe a cada 30 minutos durante os mergulhos.

Monahan disse que às vezes canta músicas em sua cabeça enquanto nada, mas principalmente se concentra na natureza ao seu redor. Na ocasião, ela ouviu os golfinhos assobiarem e nadou com um pinguim na Antártida. Água-viva e insetos são incômodos, mas ela não os deixa chegar a ela desde que um estado mental sólido, e a capacidade de reagir a mudanças repentinas na água, é importante na natação em mar aberto. Embora Monahan tenha dito que não estava deixando a noção consumi-la, ela e o Sr. Thormahlen estão cientes de que há piratas nos Estreitos de Malaca e Cingapura.
Monahan está usando duas semanas de férias para a próxima aventura.
“É engraçado quando alguém do escritório pergunta o que você fez no fim de semana”, disse ela. “Às vezes eu estava nadando do outro lado do mundo.”

Os Particulares
Projeto O Recorde Mundial do Guinness para a pessoa mais rápida para completar seis maratonas em seis continentes.
Nova York (Manhattan para Coney Island);
Colômbia (Ilha Tierra Bomba no Caribe);
Austrália (Bondi Beach para Watsons Bay no Pacífico Sul);
Estreito de Malaca e Cingapura;
Egito (o Golfo de Aqaba no Mar Vermelho);
Suíça (Lausanne para Évian-les Bains via Lago de Genebra).

 

Forças motrizes Jaimie Monahan e Arik Thormahlen
Custa cerca de US $ 12.000
Obstáculos Maiores Clima, temperatura da água, vida selvagem, piratas

Crédito Marian Carrasquero / The New York Times

The Woman Who Plans to Swim Around the World

“I actually don’t see myself as super athletic,” Ms. Monahan said. “Kinda’ more like a penguin; clumsy on land but graceful in the water.”CreditCreditMarian Carrasquero/The New York Times
By Kaya Laterman
The weather wasn’t cooperating with Jaimie Monahan on a recent weekend morning. It had rained heavily the night before, making the wind and waves too strong at sunrise for her to swim her planned 12-mile route, from the Brooklyn Bridge to Coney Island.
Although conditions in New York Bay and the Atlantic Ocean had calmed down after the sun had risen, Ms. Monahan had missed her chance to train for the Rose Pitonof Swim, a grueling 17-mile race in mid-August. Instead she attended a morning yoga session on Brighton Beach, organized by Cibbows, the Coney Island Brighton Beach Open Water Swimmers.
“The tide, the hot or cold water, wildlife, weather, it all affects open-water swimming,” she said.
Ms. Monahan, 38, has logged over 75 major swimming events in 10 years as an open water, ice and winter swimmer (the total climbs to 300 if you include smaller events), gaining numerous accolades along the way. She is a seven-time United States national champion in winter swimming, and was inducted this year into the International Marathon Swimming Hall of Fame, along with being named Woman of the Year by the World Open Water Swimming Association for both 2016 and 2017.
As if she’s not busy enough swimming and collecting awards, Ms. Monahan also has a full-time job as a recruiter for Deloitte, the global auditing and consulting firm. But this month, she won’t be putting in much cubicle time. Ms. Monahan will be attempting to obtain a Guinness World Record as the fastest person to complete six marathon swims on six continents within 16 days (a marathon swimming event, which can vary in distance, must be at least 6.2 miles). Her first qualifying event will be the Pitonof Swim, which will start in Manhattan at East 26th Street and finish at Steeplechase Pier in Coney Island.
Later that day, she will head to the airport for a flight to Colombia. Following in rapid succession will be flights to and swims in the waters of Australia, Singapore, Egypt and Switzerland.
“I actually don’t see myself as superathletic,” she said. “Kinda more like a penguin; clumsy on land but graceful in the water.”

Ms. Monahan has always been a swimmer — she swam butterfly and individual medley for her high school and college teams — but her love for open water swimming didn’t become a passion until she started to train for a triathlon with her boyfriend of 18 years, Arik Thormahlen, 41, a fund-raiser in health and higher education.
She then read about Rose Pitonof, a teenager who swam from Manhattan to Coney Island in 1911 (the event named after Ms. Pitonof follows her original trajectory), and Lynne Cox, an athlete perhaps best-known for swimming across the Bering Strait. She found these women so inspiring, it fueled her interest further. After participating in events in California and Florida as a test run, Ms. Monahan swam the 21-mile English Channel in 2009.
“Jaimie carries the love and spirit Rose had,” said Deanne Draeger, the founder of Urban Swim, a local group that organizes the annual Pitonof swim and other clean-water advocacy programs. “They’re both vivacious, charming and passionate.”

After becoming the first person to complete the Ice Sevens Challenge, where the rules stipulate that the water temperature be below 41 degrees Fahrenheit and that seven one-mile swims must be performed on all seven continents, Ms. Monahan said she needed a new goal. Two years ago, she started planning her marathon swims.

Ms. Monahan, who has been named Woman of the Year by the World Open Water Swimming Association twice, will attempt to become the fastest person to complete six marathon swims on six continents within 16 days.CreditMarian Carrasquero/The New York Times
When her Deloitte schedule allows, Ms. Monahan likes to exercise four to seven times a week, which includes high-intensity workouts at the gym, yoga and swimming both indoors and out. On the weekends, she joins group swims or goes on long solo swims organized by Cibbows.
And there is a lot to organize. Capri Djatiasmoro, who is on the Cibbows board, sometimes must secure authorization from the United States Coast Guard and notify the New York Police Department’s harbor unit about the swim routes and start times. A police boat always accompanies the swims, and depending on the course location, the city’s Department of Parks and Recreation may also have to be notified.
During long-distance swims, Ms. Djatiasmoro, along with the boat’s captain and Mr. Thormahlen, is next to Ms. Monahan on a rigid hull inflatable boat. Using sonar, radar and her own two eyes, Ms. Djatiasmoro said she is on a constant lookout for other boats, Jet Skis, debris and, at times, birds.
“Sometimes you look up and see lots of birds circling above and you know there’s fish under the swimmer, so you slightly alter their course,” she said.
Organizing the upcoming challenge has taken over a year. Besides logistics like booking flights and accommodations, Ms. Monahan had to get permission from the right authorities to swim in various international waters. Mr. Thormahlen, who said he’s been happy to do much of the research on gear, is excited to try out a new kind of ocean kayak, which, inspired by origami, folds into a compact parcel.

“When I opened it for the first time in our house, it took over our entire kitchen,” Mr. Thormahlen said of the Oru Kayak. He will be traveling with Ms. Monahan for all of her swims and using the kayak to help her stay on course.
Besides bringing eight bathing suits, Ms. Monahan, who has very fair skin, plans to take 24 ounces of Desitin, a diaper rash cream, which she slathers all over in lieu of sunblock, and bags of CarboPro powder, an energy supplement, which she drinks every 30 minutes during her swims.
Ms. Monahan said she sometimes sings songs in her head while she swims, but mostly focuses on the nature around her. On occasion, she has listened to dolphins whistle, and she has swum with a penguin in Antarctica. Jellyfish and insects are bothersome, but she doesn’t let them get to her since a solid mental state, and the ability to react to sudden changes in the water, is important in open water swimming. Although Ms. Monahan said she wasn’t letting the notion consume her, she and Mr. Thormahlen are aware that there are pirates in the Malacca and Singapore Straits.
Ms. Monahan is using up two weeks of vacation for the upcoming adventure.
“It’s funny when someone from the office asks you what you did over the weekend,” she said. “Sometimes I was swimming on the other side of the world.”
The Particulars
Project The Guinness World Record for fastest person to complete six marathon swims on six continents.
Sites New York (Manhattan to Coney Island); Colombia (Tierra Bomba Island in the Caribbean); Australia (Bondi Beach to Watsons Bay in the South Pacific); the Malacca and Singapore Straits; Egypt (the Gulf of Aqaba in the Red Sea); Switzerland (Lausanne to Évian-les Bains via Lake Geneva).
In the works Since 2016
Driving forces Jaimie Monahan and Arik Thormahlen
Cost About $12,000
Biggest Obstacles Weather, water temperature, wildlife, pirates
https://www.nytimes.com/2018/08/01/nyregion/the-woman-who-plans-to-swim-around-the-world.html

 

Responsabilidade Social
O Portal Francisswim.com.br promove diversas ações e projetos visando inclusão social e responsabilidade ambiental que são compartilhadas em nossas plataformas de redes sociais.
Social Responsability
The Francisswim.com.br Portal promotes diverse actions and projects aiming at social inclusion and environmental responsibility that are shared in our platforms of social networks.

Saiba mais sobre a Casa de Apoio Madre Ana
A Casa de Apoio Madre Ana proporciona um acolhimento digno a pacientes pediátricos e adultos portadores de câncer, transplantados, com problemas cardíacos, dentre outros, juntamente com seus acompanhantes vindos do interior do Estado e de outros estados brasileiros. São pessoas de baixa renda que necessitam de um suporte integral durante o período do seu tratamento na Santa Casa.
Os hóspedes recebem moradia, alimentação, material de higiene e conforto espiritual sem nenhum custo. Tudo com um único objetivo: aumentar as chances de cura dos nossos pacientes assistidos.
O leitor do site Francisswim.com.br que quer contribuir pode clicar na logomarca da Casa de Apoio Madre Ana e adicionar uma doação. Além disso, também é possível ser doador mensal para tanto, basta acessar o link: https://goo.gl/cK5wHb

Saiba mais sobre o Banco de Alimentos
O Banco de Alimentos atua como um gerenciador de desperdícios administrando três operações: coleta de doações, armazenamento, e distribuição qualificada de alimentos para entidades beneficentes, tais como creches, asilos, lares de excepcionais, entre outras ongs. A Rede de Bancos de Alimentos do Rio Grande do Sul possui 23 Bancos de Alimentos associados no Estado, os quais doam mais de 500 toneladas de alimentos para 900 instituições, todos os meses. Além da doação de alimentos, desenvolve projetos de nutrição em parceria com as principais universidades Gaúchas, levando mais Segurança Alimentar e Nutricional para as pessoas atendidas nas entidades beneficentes. Participe dessa luta contra a fome e a miséria, entre em contato com o Banco de Alimentos! Telefone: 51-3026.8020 – E-mail: bancodealimentos@bancodealimentosRS.org.br.
Site para maiores informações: http://www.redebancodealimentos.org.br/Inicial