Mantendo a posição “The Swim” Com Ben Lecomte na natação transoceânica de 8.721 entre o Japão e os USA

2 anos ago 0

THELONGESTSWIM 03/07/2018
Sentados ao redor da mesa do salão, a discussão quente da manhã de hoje é a localização do GPS e o fato de perdermos nosso tempo novamente para deixar Ben na água em nossa primeira aproximação. No final de cada dia nós nadamos, quando o Ben termina para retornar no dia seguinte. Simples em teoria, mas este é um dos maiores desafios para nós, apoiando Ben e garantindo que ele nada a cada quilômetro para o Recorde Mundial do Guinness. Envolve estratégia constante e planejamento todas as noites, que muda conforme o clima muda. Nosso melhor amigo, a corrente de Kuroshio, que fornece a Ben muitas milhas extra durante o dia, e então se torna nosso pior inimigo de uma noite. Combater 3,5 vezes 4 nós de corrente para ficar a oeste do ponto requer muita previsão proativa, Não demora muito na velocidade do Kuroshio a se afastar horas do ponto. Passamos a noite toda velejando, navegando, navegando, navegando, esperançosamente, para chegar à linha de partida no início da manhã. Até agora, não tivemos muito sucesso em termos de início antecipado, isso requer muitas coisas para alinhar e uma coordenação bem-sucedida entre todos.
Nós só precisamos de um apoio enquanto nos movemos em direção ao ponto e de repente nós perdemos, apenas dez minutos perdidos em algum lugar, seja na preparação da manhã, queda de bote ou na preparação de Ben pode significar horas se virando e tentando novamente. Às vezes podemos dirigir uma milha ou mais no Dinghy para voltar ao ponto que, outras vezes, significa elevar muito a vela novamente e tentar avançar contra o vento e subir a corrente novamente para outra abordagem.
Todos os dias a equipe de preparação começa às 4h da manhã para ajudar a garantir que a equipe de bote e Ben sejam bons, certificando-se de que todos os equipamentos estão prontos, a comida de Ben está preparada, seu equipamento é contabilizado, navegando a qualquer hora A abordagem da Seeker para o GPS aponta por volta das 830 – 9 da manhã. No entanto, mesmo com o início precoce, por vezes, ainda não funciona, hoje foi uma daquelas manhãs. Estamos lentamente ficando cada vez melhor, mais coordenados e mais organizados, mas às vezes simplesmente não funciona como planejado. Ninguém a bordo quer segurar Ben quando ele está pronto para nadar e quando isso acontece, pode ser bastante decepcionante e frustrante para todos nós. Deve ser extremamente frustrante para Ben, ser instruído a se vestir, mentalmente e fisicamente se preparar para um dia de natação e depois sentir saudades.


Eu acho que há um pequeno sentimento de realização todos os dias entre a equipe, uma vez que finalmente conseguimos lançar Ben e tê-lo nadando. Toda entrega bem-sucedida de Ben de volta ao seu ponto de GPS é como ganhar o jogo das noites anteriores. Da mesma forma, toda oportunidade perdida é um pequeno golpe para a confiança e parece uma perda. A perda de hoje é mais dolorosa, acho que, depois de dois dias sem nadar devido ao mau tempo, todos queriam acertar o chão (água nadando *). Ainda assim, todo mundo continua positivo, um pouco frustrado com todo o jogo de localização GPS invisível, mas positivo. Às vezes é uma luta, mas é o que mantém Ben nadando legitimamente e dá crédito à nossa expedição. Também faz com que os dias que temos um lançamento bem-sucedido sejam ainda mais recompensadores, afinal, se fosse fácil alguém já ter feito isso…
Escrito por: Ty Dalitz, primeiro imediato, gerente de pesquisa.
Leia mais de seus blogs do The Swim em seu site pessoal www.lostaussies.com
Ou siga-o no Facebook , Twitter ou Instagram .

Sobre Ty:
‘Desde 2014 eu tenho tentado circunavegar o mundo sem voar (https://www.facebook.com/thelostaussie/ ), em um feriado prolongado e carente. Depois de chegar da Austrália a Londres no final de 2016, o próximo passo foi encontrar um barco para atravessar o Atlântico. Felizmente, o The Longest Swim tinha comprado recentemente a DISCO no Reino Unido, e ainda estava desesperado o suficiente para que a tripulação considerasse uma busselha australiana que estivesse pedindo carona.
Originalmente, eu estava apenas querendo chegar ao Canadá para encontrar um trabalho muito necessário, mas a captura de uma travessia do Atlântico com o The Longest Swim foi para ajudar com outras duas travessias do Pacífico também. Muito possivelmente a maneira mais indireta para chegar ao Canadá, mas uma aventura que estou feliz por estar envolvido.
Tirando o meu diploma de ciências biológicas, estarei ajudando com a ciência a bordo e com a tarefa única de manter o barco navegando a um ritmo incrivelmente lento. Se eu puder ajudar Ben a realizar seu sonho, contribuindo para a conscientização ambiental, algo pelo qual sempre fui apaixonado, valerá a pena o estresse indesejado de escrever essa biografia.
Traduzido por Google Tradutor

Clique nas imagens abaixo para ter acesso as ofertas:

ORIGINAL
Sitting around the saloon table the hot discussion of the morning today is the GPS location and the fact we missed our timing again to drop Ben in the water on our first approach. At the end of each days swim we take the point of when Ben finishes so we can return the next day. Simple in theory but this is one of the biggest challenges for us in supporting Ben and guarantee he swims every mile for the Guinness World Record. It involves constant strategy and planning every night which changes as the weather changes. Our best friend the Kuroshio current which provides Ben with a lot of extra push and extra miles during the day, and then becomes our worst enemy of a night. Fighting 3.5 sometimes 4 knots of current to stay west of the point takes a lot of proactive forethought, it doesn’t take long at the speed of the Kuroshio to drift hours from the point. We spend all night sailing, hove to, sailing, drifting, sailing to hopefully time an approach at the starting line in the early morning. So far, we haven’t had much success in terms of early starts, it requires a lot of things to align and successful coordination between everyone.
We only need one hold up as we drift towards the point and suddenly we have missed it, as little as ten minutes lost somewhere either in the morning prep, dinghy drop or in Ben’s preparation could means hours turning around and trying again. Sometimes we can drive a mile or more in the Dinghy to get back to the point other times it means raising a lot of sailing again and attempting to tack upwind and up current again for another approach.
Everyday the prep team starts at 4am in the morning to help ensure the dinghy team and Ben are good to go, making sure all dinghy gear is ready, Ben’s food is prepared, his gear is accounted for, all the while sailing/drifting to time Seeker’s approach to the GPS point at around 830 – 9 am. However even with the early start sometimes it still doesn’t work out, today was one of those mornings. We are slowly getting better and better, more coordinated and more organized but sometimes it simply doesn’t work out as planned. Nobody on board wants to hold up Ben when he is ready to swim and when it happens it can be pretty disappointing and frustrating for us all. It must be extremely frustrating for Ben, getting told to suit up, mentally and physically prepare yourself for a days swim and then we miss it. As frustrating as this must be for him he rarely shows any sign of it, he is extremely patient with us and understanding.
I think there is a small feeling of accomplishment every day amongst the team once we finally manage to launch Ben and have him swimming. Every successful delivery of Ben back to his GPS point is like winning the previous nights game. Equally, every missed opportunity is a small blow to the confidence and feels like a loss. Today’s loss hurt the most, I think because after two days of no swimming due to bad weather everyone was keen to hit the ground running (water swimming*). Still, everyone remains positive, slightly frustrated by the whole invisible GPS location game, but positive. It is a struggle sometimes but it is what keeps Ben’s swim legit and gives our expedition credit. It also makes the days we do have a successful launch all the more rewarding, after all, if it was easy someone else would have already done it…
Written by: Ty Dalitz, First mate, research manager.
Read more of his blogs from The Swim on his personal website www.lostaussies.com