Nado Artístico do Mackenzie Brasília volta do Pan-Americano com medalha inédita

1 ano ago 0

Equipe conseguiu o 3º lugar em um dos principais torneios da modalidade, na América Latina
Em sua primeira participação no Campeonato Pan-Americano de Natação Artística da União Americana de Natação (UANA), a equipe de nado artístico do Colégio Presbiteriano Mackenzie Brasília (CPMB) surpreendeu e trouxe para o Brasil uma medalha de bronze, além de resultados que superaram as expectativas.

A mackenzista Vitória Diegues Brasil, de 14 anos, marcou 66,7 pontos e ficou atrás apenas da mexicana Itzamary Gonzalez (74,7 pontos) e da canadense Claudia Janvier (74,8 pontos).

Em outra categoria, Ana Clara Lobato e Farias Machado, de 13 anos foi às finais e ficou em 8º lugar. Ana se classificou para a última fase, após ter sido a 1ª atleta brasileira em “figura” – sequências ou combinações de posições e movimentos que constituem a principal unidade de avaliação do Nado Sincronizado -, ficando em 20º na disputa com outras 63 atletas, nas preliminares. Claudiane Letícia Alves das Neves, de 16 anos, também finalista, ficou em 5º lugar e Jullya Costa Magalhães, de 18 anos, em 8º lugar.

“Resultados excelentes para o tamanho da competição e qualidade técnica das atletas que competiram com elas”, comentou a técnica Simone Formiga, que também é professora de Educação Física do CPMB. “Estou muito orgulhosa da participação das meninas do Mackenzie numa competição dessa magnitude. Representamos o Brasil e o Mackenzie com muito orgulho e de forma consciente. Os resultados nos encheram de entusiasmo e percebemos que estamos no caminho certo”, acrescentou.

A competição foi realizada entre os dias 19 e 24 de agosto, em Windsor, no Canadá e reuniu 15 países e quase 200 atletas. A UANA é reconhecido como a principal competição para as categorias Juvenil (13 a 15 anos), Júnior (16 a 18 anos) e Sênior (acima de 18 anos) das Américas.

“Foi sensacional a experiência. Nunca tínhamos passado por um campeonato tão forte, tão bem organizado, com a participação de atletas de seleção. Vai mudar bastante coisa ainda, aqui, no Brasil. Nos treinamentos e nas nossas participações em competições”, explicou a medalhista Vitória Dieguess.

“Fomos com a cabeça no lugar, focamos no objetivo e conseguimos o que queríamos, passar para as finais em todas as categorias em que nadamos”, acrescentou Ana Clara Lobato e Farias Machado.

As meninas vem se preparando há meses para a competição. São 14 horas de treinamento por semana. Como parte da estratégia de treinamento, a equipe participou do 4º Open de Nado Artístico, no final de junho, em São Paulo, e ficou em segundo lugar na classificação geral, competindo com times de outros países.

Em julho, as meninas passaram oito dias praticando fora da piscina, focadas em exercícios de musculação, combinados com atividades de aumento de força, feitas no elástico, e treinos voltados para a isometria – técnica que consiste em usar os músculos do corpo contra um objeto imóvel ou manter o corpo em uma posição fixa por um determinado tempo para desenvolver e fortalecer a musculatura.

Há poucos dias do início da competição, Jullya e Vitória viajaram para Bracebridge, localizada em Ontario, para participar, entre os dias 27 de julho e 4 de agosto, da SyncEffect, uma clínica de treinamento de alto rendimento. As atividades foram lideradas e ministradas pela canadense Sheilagh Croxon, treinadora duas vezes medalhista olímpica, pela japonesa Chihiro Ishii, treinadora principal da seleção do Canadá, com 20 anos de experiência à frente de equipes de nado sincronizado, e pela russa Olga Novakshchenova, ex-atleta que participou d