O que mudou com o COVID-19 e como isso pode afetar sua natação?

2 semanas ago 0

Coronavírus e natação: o que você precisa saber. Por USA MASTER SWIMMING
Quando a Organização Mundial da Saúde declarou o surto de coronavírus em meados de março, a natação parou para muitos de nós. As piscinas de todo o país fecharam e, no final de julho, apenas algumas foram reabertas e muitas estão operando com uma capacidade muito reduzida. Novos protocolos foram instituídos para ajudar a manter os nadadores seguros, e cada instalação está abordando seus planos de reabertura de maneira um pouco diferente, com base nas condições e regulamentos locais.
Nos últimos cinco meses, aprendemos muito sobre essa nova doença e como ela é transmitida. Embora ainda não haja muita clareza sobre o coronavírus e a doença potencialmente mortal que ele causa, o COVID-19 (também chamado SARS-CoV-2), aprendemos muito sobre o que esperar de infecções e como diminuir transmissão.
Com relação à natação, veja um resumo dos conselhos atuais de saúde pública norte americana e o entendimento científico do que você precisa saber. A conscientização sobre esses aspectos, chave do vírus e como ele se move pode ajudá-lo a se manter seguro, à medida que grupos em todo o país retomam os treinamentos.

 

Transmissão no ar
O coronavírus pode ser transmitido através de pequenas gotículas, chamadas aerossóis, expelidas dos pulmões. Em 10 de julho, a OMS reconheceu as evidências crescentes de que o vírus está no ar, depois de declarações de mais de 200 cientistas em todo o mundo.
Esse é um ajuste importante às declarações anteriores sobre a natureza do vírus, uma vez que contribui para o entendimento de que a transmissão aérea através de gotículas em aerossol parece ser a maneira predominante pela qual o vírus se move de pessoa para pessoa. Manter distância e usar máscara tornaram-se as principais recomendações de saúde pública que atualmente estão sendo solicitadas para suprimir as taxas de transmissão.
Como resultado dessas informações atualizadas, o aumento da ventilação dos espaços internos também assumiu maior prioridade. Quando um volume de ar circula continuamente e o ar fresco entra no espaço, isso pode ajudar a dissipar as nuvens aerossolizadas do vírus que, de outra forma, se acumulariam em uma área fechada com pouca ventilação.
Algumas instalações de piscinas internas estão colocando grandes ventiladores no teto e abrindo portas e janelas ou atualizando seus sistemas ar condicionado para melhorar o fluxo de ar, o que é bom não apenas para dispersar partículas virais transportadas pelo ar, mas também para reduzir os níveis de cloraminas que podem se acumular no espaço e potencialmente causar irritação nos pulmões e olhos.

 

Transmissão de superfície
Estudos realizados no início da pandemia descobriram que o vírus pode sobreviver em superfícies duras como plástico e aço por até três dias e, inicialmente, acreditava-se que essa poderia ser uma importante via de transmissão de doenças. Agora, no entanto, alguns cientistas estão sugerindo que o risco de transmissão da superfície deve ser uma preocupação secundária. Em 20 de maio, o CDC emitiu uma orientação revisada, observando que, embora certamente seja possível alguém contrair o vírus por uma superfície contaminada, esse não é o principal modo de transmissão.
No entanto, os funcionários de muitos espaços públicos, como piscinas e academias, estão tomando cuidado para limpar todas as superfícies e espaços compartilhados depois que cada visitante sai em um esforço para eliminar esse potencial meio de transmissão. Para tranquilidade, é melhor limpar as superfícies compartilhadas com frequência com um produto de limpeza à base de água sanitária e lavar as mãos antes de tocar em seu rosto, nariz, boca ou olhos.

 

Transmissão Assintomática
Está ficando cada vez mais claro nos últimos meses que pessoas infectadas, mas que não apresentam sintomas, ainda podem transmitir o vírus a outras pessoas. Nosso entendimento de exatamente o quão grande pode ser uma transmissão assintomática de ameaças ainda está evoluindo, mas esse é outro motivo para usar uma máscara em espaços públicos ou compartilhados, mesmo que ninguém esteja apresentando nenhum sintoma de infecção.

 

Contaminação por cloro
O CDC informou em 10 de março que “não há evidências de que o COVID-19 possa ser transmitido aos seres humanos através do uso de piscinas e banheiras de hidromassagem. A operação, manutenção e desinfecção adequadas (por exemplo, com cloro e bromo) de piscinas e banheiras de hidromassagem devem remover ou inativar o vírus que causa o COVID-19”. Parece ainda ser verdade. Embora a evidência direta seja limitada, há poucas razões para suspeitar que você possa ficar doente com o COVID-19 ao nadar na água da piscina tratada adequadamente.
Em 20 de maio, o CDC emitiu novas diretrizes de segurança para a operação segura de piscinas e academias, que foram atualizadas novamente em 15 de julho. As coisas estão mudando rapidamente em relação à nossa compreensão desse vírus, portanto, espere que as diretrizes e recomendações continuem a evoluir à medida que a ciência desvenda os detalhes desse vírus.
Enquanto isso, verifique com sua academia ou clube para descobrir o que implica seu protocolo de uso seguro, mas saiba que a água em si não é a ameaça. Em vez disso, são as pessoas com quem você entrará em contato no caminho de e para e na piscina que são possíveis vetores de contágio.

 

Águas abertas
Durante o auge do verão, muitos nadadores Masters estão nadando em águas abertas, o que parece ser uma boa alternativa para nadar em piscinas, especialmente se horas e espaços forem limitados em suas instalações. A luz solar inativa rapidamente o vírus, e estar ao ar livre, onde há bastante fluxo de ar, reduz as chances de transmissão do vírus entre as pessoas. Por enquanto, a água aberta – desde que você tenha acesso a um local seguro e a um parceiro para nadar de uma maneira socialmente distanciada – pode ser uma ótima opção.

A lavagem das mãos ainda é crucial
Embora a transmissão de superfície do vírus pareça ser um pouco menos ameaçadora do que se pensava inicialmente, a lavagem das mãos ou o uso de desinfetantes para as mãos ainda são considerados meios críticos para reduzir o risco de transmissão do vírus. Não toque no rosto ou nos olhos com as mãos não lavadas e tenha cuidado para lavar por pelo menos 20 segundos com sabão e água morna ou use um desinfetante para mãos com pelo menos 60% de álcool e ensaboe as mãos por pelo menos 20 segundos se houver água e sabão não estão disponíveis.

 

Chave para Distanciamento Social
Quanto mais contato você tiver com outras pessoas, maior a probabilidade de você ser infectado ou espalhar o coronavírus para outras pessoas. Muitas autoridades de saúde pública agora estão usando o termo distanciamento físico para descrever melhor a separação física que deve ser mantida entre você e os outros. Tome cuidado para ficar a pelo menos 2 metros de distância dos outros o tempo todo, especialmente ao compartilhar um espaço fechado. Esta é a maneira mais simples de reduzir o risco de transmissão viral.

O uso da máscara é vital
Como agora se sabe que o vírus pode passar facilmente entre as pessoas através de gotículas expelidas dos pulmões, usar uma máscara facial quando você está próximo de outras pessoas é considerado a coisa mais importante que você pode fazer para manter a si e aos outros a salvo de infecções. Estudos mostraram que uma simples cobertura de tecido pode reduzir bastante a transmissão de partículas virais de uma pessoa para outra através de gotículas expelidas dos pulmões enquanto conversamos, rimos, tossimos ou cantamos.
Inicialmente, as autoridades de saúde pública aconselharam a não usar a máscara, a menos que você tivesse sintomas em um esforço para garantir que suprimentos suficientes estivessem disponíveis para os profissionais de saúde. Mas agora está claro que todos devem usar uma máscara quando estiverem em público.
Muitas instalações de piscina agora exigem que todos os clientes usem uma máscara ao entrar na instalação, e você provavelmente precisará usar a máscara no deck da piscina, até entrar na água. Obviamente, não use sua máscara na água, pois uma máscara úmida se torna quase impossível de respirar e pode ser perigosa.

 

Quarentena conforme necessário
Não é necessário dizer que, se você está doente ou recebeu um diagnóstico de COVID-19 ou um teste positivo de COVID-19, isole-se para reduzir o risco de transmitir o vírus adiante. Inicialmente, o CDC estava dizendo que você deveria se auto-isolar por pelo menos 14 dias para evitar compartilhar o vírus com outras pessoas e esperar pelo menos 72 horas após a febre ter quebrado (sem o uso de medicamentos para reduzir a febre) para sair do isolamento.
Porém, à medida que a compreensão do vírus evoluiu, o CDC emitiu recomendações de isolamento atualizadas em 20 de julho que estipulam que você deve isolar por 10 dias após o início dos sintomas e por pelo menos 24 horas após a febre ter quebrado (sem o uso de medicamentos para redução da febre) . Se você recebeu um teste positivo, mas é assintomático, também é recomendável se isolar por 10 dias a partir da data do teste.
Essas recomendações cobrem casos leves. Para casos mais graves, o CDC diz que o isolamento por até 20 dias após o início dos sintomas pode ser necessário.
Em todos os casos, trabalhe com seu médico para obter suporte e aconselhamento personalizados e informe as autoridades apropriadas sobre seu status, para que os rastreadores de contato possam alertar qualquer pessoa com quem entrar em contato sobre sua possível exposição ao COVID-19

Sintomas e Complicações
Inicialmente, pensava-se que o COVID-19 fosse estritamente uma doença respiratória, sendo tosse, febre e falta de ar os principais sintomas. Porém, à medida que mais pessoas são infectadas, fica cada vez mais claro que os indivíduos podem ter uma ampla gama de respostas ao vírus e sintomas de infecção.

Atualmente, os sintomas do COVID-19, que geralmente surgem dentro de dois a 14 dias após a exposição, incluem:
Febre ou calafrios
Tosse
Falta de ar ou dificuldade em respirar
Fadiga
Dores musculares ou corporais
Dor de cabeça
Nova perda de paladar ou olfato
Congestão, dor de garganta ou coriza
Náusea, diarreia ou vômito
Se você tiver algum destes sintomas, entre em contato com seu médico para obter orientação sobre como proceder. Você pode ser solicitado a fazer um teste COVID-19. Ainda é difícil acessar os testes em algumas partes do país; portanto, esteja preparado para aguardar alguns dias pelos resultados. Durante esse período de espera, se isole e assuma que você é positivo para o COVID-19.
Problemas respiratórios
Dor persistente ou pressão no peito
Nova confusão
Incapacidade de acordar ou permanecer acordado
Lábios ou rosto azulados

Embora o COVID-19 seja amplamente descrito como uma doença respiratória, sendo a pneumonia a principal causa de morte, também pode causar uma resposta hiperinflamatória chamada tempestade de citocinas, que pode ser especialmente perigosa para algumas pessoas.
Além disso, as infecções por COVID-19 têm sido associadas ao desenvolvimento de coágulos sanguíneos e outros problemas vasculares que podem desencadear um derrame ou embolia pulmonar. Pesquisas emergentes também sugerem que ela pode causar uma série de outras respostas inflamatórias potencialmente perigosas em certas pessoas, com a síndrome inflamatória multissistêmica em crianças (ou MIS-C) sendo uma complicação rara, mas assustadora, da infecção em crianças e adolescentes.

Algumas pessoas continuam tendo sintomas por muito mais tempo do que os 14 a 20 dias típicos. Esses indivíduos agora estão sendo chamados de transportadores de longa distância e o impacto a longo prazo do vírus em seus corpos está sendo observado de perto. Algumas pessoas que se recuperaram acham que não conseguem retomar suas atividades anteriores ao COVID-19. Também não sabemos ainda se a doença confere imunidade a infecções futuras e, em caso afirmativo, por quanto tempo.

O caso conta ainda subindo em muitas áreas
Um dos aspectos mais frustrantes dessa pandemia é sua natureza local. Nos estágios iniciais, as cidades costeiras densamente povoadas foram as mais atingidas. À medida que essas regiões lutavam para conter o vírus e, eventualmente, achatavam a curva, muitas outras áreas com contagens em letras minúsculas pressionavam para reabrir.
É semelhante a um jogo maciço e mortal de pancada-de-toupeira que parece provável continuar até que tenhamos uma vacina.
Atualmente, não importa onde você mora, preste atenção às autoridades de saúde pública locais sobre o que é seguro fazer e quais atividades você deve evitar. E certifique-se de entender e seguir os protocolos de segurança instituídos em sua piscina antes de nadar. Esse conselho conta duas vezes se você mora em uma região que faz parte do aumento contínuo de casos e mortes.

Vacinas e Tratamento
Cientistas e pesquisadores estão fazendo um progresso significativo em sua busca por uma vacina, mas, embora a perspectiva atual seja positiva e vários ensaios estejam indo bem, ainda estamos longe de ter uma vacina segura e eficaz para o COVID-19. A maioria dos especialistas diz que, embora um candidato viável possa ser identificado no final de 2020 ou no início de 2021, provavelmente levará mais alguns meses, possivelmente até anos, para acelerar a produção a ponto de todos serem vacinados contra o COVID-19.
Enquanto isso, o trabalho urgente continua no desenvolvimento de tratamentos eficazes para a doença. Em maio, verificou-se que um medicamento antiviral chamado remdesivir tem um efeito modesto para acelerar a recuperação e reduzir o risco de morte em alguns casos graves de COVID-19. Desde então, houve uma corrida contra este medicamento, e a escassez pode dificultar a aquisição para aqueles que se beneficiariam mais com o tratamento em potencial.
Em meados de julho, outro candidato ao tratamento começou a mostrar promessas. Uma inalação de um medicamento interferon beta comumente prescrito pareceu reduzir as chances de os pacientes ficarem gravemente doentes com o COVID-19. Mas esse tratamento, como todos os outros, ainda precisa de mais estudos de longo prazo para determinar sua segurança e eficácia.
Portanto, como em qualquer doença, sua melhor estratégia é evitar ser infectado em primeiro lugar. A chegada de uma vacina tornará mais fácil evitar esse destino, e um protocolo de tratamento comprovado poderá tornar a doença menos mortal. Mas até termos essas coisas, você deve:
– Pratique o distanciamento social
– Usar uma máscara
– Lave as mãos frequentemente
– Tome cuidado para evitar o contato com outras pessoas que possam estar portando o vírus
Mantenha-se saudável comendo direito, descansando bastante, exercitando-se e controlando comorbidades como diabetes e pressão alta que foram associadas a piores resultados da infecção por COVID-19
Fonte USA MASTERS SWIMMING

Você está procurando um refúgio tropical e um espetacular evento de natação em águas abertas? Então, temos algo para você! Ocean Swim Fiji, evento de classe mundial, em um local de praias e ilhas de tirar o fôlego, com a hospitalidade clássica dos habitantes da ilha Fiji, este é o seu mergulho para 2020. Comece a planejar sua viagem ao paraíso hoje! Saiba mais https://oceanswimfiji.com/

Treine com o melhor e nade um nível acima. A marca arena oferece produtos de alta tecnologia para você treinar ou competir. Compre pelo site oficial:  https://arenawaterinstinct.com.br/ com o cupom #arenafrancis para ganhar 12% de desconto

O Projeto Nadando Pelos Cartões Postais busca unir esporte e a conscientização ecológica com as suas atividades de águas abertas. Saiba mais como participar e apoiar este projeto no https://www.facebook.com/worldswim/