Olimpíadas de Tóquio enfrentam outra dor de cabeça iminente – sem voluntários para a equipe médica

2 meses ago 0

Médicos e enfermeiras japoneses que lutam contra o novo coronavírus não terão tempo para se voluntariar para ajudar nas Olimpíadas, disse uma associação médica, levantando outra dor de cabeça para os organizadores determinados a realizar os Jogos adiados.

O diretor da Associação Médica de Tóquio, que representa 20 mil médicos de dezenas de grupos médicos menores, disse que médicos e enfermeiras estavam sob pressão demais para lidar com uma terceira onda da pandemia para sequer considerar se inscrever para as Olimpíadas.

“Não importa como eu olhe para isso, é impossível”, disse Satoru Arai, cuja associação foi solicitada pelo Comitê Organizador Olímpico de Tóquio e pelo Governo Metropolitano de Tóquio em março passado para garantir mais de 3.500 profissionais médicos para o evento.

“Estou ouvindo médicos que inicialmente se inscreveram como voluntários dizerem que não há como tirar uma folga para ajudar quando seus hospitais estão completamente lotados”, disse Arai à Reuters esta semana, acrescentando que ele não teve coragem de pressionar por voluntários em tal um momento crítico.

Os Jogos tiveram que ser adiados de julho e agosto do ano passado, pois o coronavírus se espalhou pelo mundo e agora estão programados para 23 de julho a 8 de agosto. 

Mas os grupos persistentes de infecções no Japão levantaram questões sobre a viabilidade de realizar os Jogos neste ano e corroeu o apoio à extravagância entre o público nervoso com a possibilidade de atletas e espectadores trazerem novos casos.

Novas infecções no Japão atingiram novos máximos no início de janeiro, provocando um estado de emergência em Tóquio e em algumas outras áreas. O governo estendeu a emergência na maioria desses lugares na terça-feira. O Japão se saiu melhor do que alguns outros países na luta contra o vírus. Ele teve 390.000 casos e 5.794 mortes.

Na última quarta-feira, 73% dos leitos disponíveis em Tóquio para pacientes com COVID-19 estavam ocupados, com 2.933 pessoas. O governo está determinado a realizar o evento de demonstração, em parte para anunciar o que espera que seja o fim da pandemia.

Como parte dos preparativos, o ministro olímpico Seiko Hashimoto disse ao parlamento na semana passada que o governo tinha um plano para garantir cerca de 10.000 médicos para os Jogos.

Arai disse que uma Olimpíada sem espectadores aliviaria a maior parte do fardo de fornecer médicos e sua associação acredita que é assim que deve ser organizada. Embora a possibilidade de um Jogos sem espectadores tenha sido levantada, os organizadores dizem que estão relutantes em sequer contemplar isso.

Os organizadores sugeriram que médicos voluntários poderiam ser pagos por seu trabalho, de acordo com um legislador que participou de uma reunião na terça-feira. Isso marcaria um afastamento do que se tornou prática comum nas últimas Olimpíadas, com a equipe médica se apresentando como voluntária não remunerada.

Mas Arai disse que não se tratava de dinheiro. Sua preocupação é simplesmente que os médicos ficariam sobrecarregados com pacientes com coronavírus e vacinas durante o verão.

Os organizadores dos Jogos de Tóquio e o Comitê Olímpico Internacional realizarão um briefing sobre as medidas do COVID-19 às 09:00 GMT, no qual os oficiais devem afirmar seu compromisso em realizar os Jogos Olímpicos em Tóquio em julho deste ano. Arai disse que sua associação não recebeu detalhes sobre os planos.

“Ficamos preocupados e procuramos o comitê organizador das Olimpíadas no final do ano passado, perguntando qual era o plano”, disse ele. “Mas ainda não ouvimos nada.”

Reuters