PROJETO NADANDO PELOS CARTÕES POSTAIS – A PREOCUPANTE CONTRIBUIÇÃO EUROPEIA PARA O LIXO MARINHO

3 meses ago 0

Os rios são os principais canais pelos quais os resíduos gerados pela atividade humana são transferidos da terra para o oceano. Um novo estudo mostra que os países europeus despejam mais de 600 milhões de macro-lixo flutuante (> 2,5 cm) no oceano por ano. A equipe que realizou este estudo, composta por 22 instituições de 12 países diferentes, mostrou que o plástico é o principal resíduo observado nos rios de toda a Europa.

Oito em cada 10 resíduos encontrados são plásticos, incluindo plásticos descartáveis, como garrafas, embalagens (como embalagens de alimentos) e sacolas. Quase 40% dos detritos flutuantes são pedaços de plástico (fragmentos de itens maiores), o que significa que muitos itens de plástico começam a se fragmentar em bacias hidrográficas antes de chegar ao oceano.

A Turquia, uma economia eurasiana de renda média-alta, é o principal contribuinte para o lixo marinho (17%) na lista de países incluídos no estudo. Mais importante ainda, as economias de alta renda respondem por 64% da carga de lixo anual total, incluindo Itália, Reino Unido, Espanha e Grécia entre os cinco maiores contribuintes.

“Nossa avaliação mostra que os países que supostamente têm as melhores estratégias de gestão de resíduos não são capazes de evitar que a poluição do plástico chegue às suas hidrovias e, em última instância, aos seus mares”, afirma Daniel González, pesquisador da Universidade de Cádiz (UCA) e principal autor do estudo.

“Isso ocorre em um cenário em que as economias de alta renda aliviam a pressão sobre seus sistemas exportando plástico para terceiros países”, acrescenta Andrés Cózar, coautor do estudo e chefe do Laboratório de Lixo Marinho da UCA. Seguindo a restrição da China às importações de plástico em 2017, a Turquia emergiu como um dos maiores destinos de exportação de resíduos plásticos da Europa.

Recentemente, várias ONGs relataram que uma parte significativa das exportações de resíduos plásticos do Reino Unido para a Turquia foi despejada ou incinerada, em vez de reciclada. As economias desenvolvidas geram a maior parte dos resíduos plásticos per capita, e a exportação é uma rota comum para seus resíduos de baixa qualidade.

“Dada a incapacidade das economias de alta renda de lidar com seus próprios resíduos de plástico, as estratégias de mitigação devem ter como objetivo principal reduzir o consumo de plástico e evitar a geração de resíduos”, diz Daniel González.

 

MAIS LIXO EM PEQUENOS RIOS

Outra conclusão do estudo é que os grandes rios carregam menos lixo para o oceano do que os pequenos. Na Europa, cerca de 70% da carga anual de lixo é canalizada através de numerosas “pequenas” bacias costeiras (ou seja, bacias menores que 100 km2).

Os autores explicam essa conclusão com base em dois argumentos. Em primeiro lugar, os 32 países europeus e euro-asiáticos considerados no estudo incluem os aportes de lixo de 23.000 dessas pequenas bacias costeiras, relacionados a pequenos rios, riachos e riachos intermitentes que são ativados por águas pluviais. A emissão de plástico em bacias menores que 100 km2, muitas delas com grande densidade populacional, não havia sido considerada nos modelos anteriores.

“Ao contrário do que foi sugerido até agora, nossos dados mostram que o plástico lançado no oceano é um problema que vai além de um número limitado de rios altamente poluídos e economias de baixa renda”, explica Daniel González.

Em segundo lugar, as medições de campo mostram que grandes rios são menos eficientes na transferência de macro lixo flutuante para o oceano do que pequenas bacias.

O estudo é baseado no maior banco de dados do mundo sobre a contribuição da macro liteira ribeirinha para o oceano. Mais de 700 dados de monitoramento de campo foram coletados em 42 rios em 11 países europeus, de grandes rios (como o Danúbio, Ródano, Vístula e Douro) a riachos muito pequenos. Os grandes rios europeus são altamente regulados, o que altera seu fluxo natural. O rio Danúbio possui mais de 700 barragens em seus principais afluentes, o que significa que o transporte de resíduos continua rio abaixo até a costa, acrescenta González.

“Muito provavelmente, grandes quantidades de plástico ficarão presas a montante das barragens, encalhadas nas margens dos rios ou emaranhadas na vegetação, esperando para se fragmentar antes de continuar sua jornada para o oceano na forma de pequenos pedaços e microplásticos, diz Andrés Cózar.

Assim, a mobilidade e persistência demonstradas do lixo plástico requerem ações voltadas para a redução do vazamento de resíduos em sua origem.

FONTE https://www.residuosprofesional.com/contribucion-europea-basuras-marinas/?fbclid=IwAR2VFo90R6SHhAH74u7HVA-1LYNS2jcKOSsg5t1ZkDqk4wnfIhzwa2F_YCw

Resíduos Profissionais é um espaço dedicado à informação, análise e debate sobre o sector da gestão de resíduos: prevenção, reutilização, reciclagem e valorização.

Email de contato: redaccion@residuosprofesional.com

web@residuosprofesional.com

Produtos de natação de qualidade é na Decathlon Portugal. Aqui você pode comprar artigos esportivos com o melhor custo benefício! Não deixe de conferir as ofertas para marcas exclusivas, pois elas te trazem produtos para você praticar mais de 65 esportes com a melhor qualidade. Temos os melhores preços em produtos e com design funcional para o esportista iniciante ao de alta performance. Saiba mais https://tinyurl.com/ezbud9v4