Silver de volta – The Longest Swim Com Ben Lecomte na natação transoceânica de 8.721 entre o Japão e os USA

2 anos ago 0

THELONGESTSWIM
Uma pergunta frequente que recebemos é sobre encontros com animais “perigosos” aqui. Os tubarões são especialmente atraentes para muitos de nós e eu tenho que admitir que é emocionante ver a barbatana dorsal cortando as ondas – um evento que ocorre aproximadamente todas as semanas nesta expedição. Infelizmente, os tubarões que vimos se mostraram realmente tímidos. Todos eles nadaram para longe rapidamente. Percebendo que mordidas de tubarão são notórias, mas muito raras, meu medo pelo animal se transformou em respeito e eu gostaria de nadar com um deles.
O primeiro encontro de animais menos engraçado que tivemos foi com uma medusa ontem. Agora, eles podem parecer menos perigosos do que os tubarões, mas subespécies como a água-viva da caixa e a água-viva Irukandji (encontrada no sudeste da Ásia e norte da Austrália) e o homem-de-guerra português, podem causar uma dor às vezes fatal.
À tarde, uma dúzia de golfinhos apareceu ao lado de Seeker para jogar. Paramos o barco e eu, Ty, Maria e Mark mergulharam na água com uma GoPro para nadar com eles. Enquanto Mark nadava até Ben para filmar algumas cenas, ele foi pego em algo que parecia uma linha de pesca.
De volta ao barco, seu ombro esquerdo, pescoço e ombro direito mostraram características de uma erupção de uma picada de água-viva. Após certificar-se de que não havia sinal de choque, o tratamento inicial consistiu em encharcar a área em água do mar aquecida para neutralizar o veneno.
O vinagre também pode ser usado, embora ocasionalmente piore. Como eu não sabia a medula exata e os sintomas eram pequenos, optei por não usá-la neste caso. Depois disso, houve um pouco de hilaridade entre a equipe quando eu pulverizei toda a área com farinha (creme de barbear, bicarbonato de sódio ou pasta de areia / água do mar também pode fazer o truque!) E raspei cuidadosamente com a ponta afiada de um tubo protetor solar. (um cartão de crédito fará o trabalho), evitando assim mais envenenamento removendo as picadas. Um exemplo de remédio de expedição adequado: pragmático e eficaz. Uma das razões por que gosto tanto deste campo da medicina. Exceto por um silverback temporário, Mark se recuperou completamente.

Escrito por: Maks Romeijn, 28 anos, Dutchie
Expedição Medic / Pesquisador
Desde a minha graduação na faculdade de medicina em Leiden, trabalhei em vários campos da medicina aguda, incluindo cardiologia e terapia intensiva. Estou interessado na prestação de cuidados de saúde ideais em situações fora do hospital. Depois de seguir um curso de medicina de expedição organizado pela World Extreme Medicine, era apenas uma questão de tempo antes de partir para uma expedição.
Tendo navegado desde tenra idade e kite surf durante todo o ano sempre que há vento, a água sempre desempenhou um papel importante na minha vida. Dedicar meu tempo para preservar os oceanos, apesar de ser um médico de expedição em uma travessia no Pacífico, é um sonho absoluto e não precisei pensar muito em ingressar no The Swim. Juntamente com Lauren e nossa equipe médica em terra, eu cuidarei de todas as pessoas a bordo e monitorarei Ben durante a natação. Além disso, lideraremos os projetos de pesquisa médica, incluindo estudos de imagens do coração de Ben em colaboração com a NASA.
Além do retorno seguro e saudável da tripulação, espero que façamos as pessoas pensarem mais sobre o uso do plástico e os efeitos que ele está tendo em nosso planeta.

O blog http://thelongestswim.com/

A natação transoceânica de 8.721 quilômetros pode ser visto aqui http://thelongestswim.com/live-tracker/

e um link do Facebook está aqui https://www.facebook.com/BenLecomteTheSwim/
Por Ben Lecomte

Clique nas imagens abaixo para ter acesso as ofertas:
Click on the images below to access the offers:

 

25/07/2018 [THE WIRE] Silver back

THELONGESTSWIM
A frequently asked question we get is about encounters with ‘dangerous’ animals out here. Sharks are especially appealing to a lot of us and I have to admit that it is exciting to spot the dorsal fin cutting through the waves- an event occurring roughly every week on this expedition. Unfortunately, the sharks we have seen turned out to be really shy. All of them swam away quickly. Realizing that shark bites are notorious but very rare, my fear for the animal turned into respect and I’d like to swim with one of them.
The first less funny animal encounter we had was with a jellyfish yesterday. Now, they might look less dangerous than sharks, but subspecies like the box jellyfish and the Irukandji jellyfish (found in southeast Asia and Northern Australia) and the Portuguese man-of-war, can sting with a sometimes fatal punch.
In the afternoon a dozen dolphins showed up right next to Seeker to play. We stopped the boat and me, Ty, Maria and Mark dove into the water with a GoPro to have a swim with them. While Mark was swimming over to Ben to shoot some footage he got caught in something that looked like a fishing line.
Back on the boat, his left shoulder, neck and right shoulder showed characteristics of a rash from a jellyfish sting. After making sure there was no sign of a shock, initial treatment consisted of soaking the area in heated sea water to neutralize the venom.
Vinegar might be used as well, although occasionally it makes matters worse. Since I didn’t know the precise jellyfish and symptoms were minor, I chose not to use it in this case. After this, there was some hilarity among the crew when I powdered the whole area with flour (shaving cream, baking soda or a sand/seawater paste can do the trick too!) and carefully scraped it off with the sharp end of a sunscreen tube (a credit card will do the job), thereby avoiding further envenomation by removing the stings. An example of proper expedition medicine: pragmatic and effective. One of the reasons I like this field of medicine so much. Except for a temporary silverback, Mark fully recovered.


Written by:
Maks Romeijn, 28, Dutchie
Expedition Medic/ Researcher
‘Since my graduation from medical school in Leiden, I worked in several fields of acute medicine including cardiology and intensive care. I’m interested in the provision of optimum health care in situations outside the hospital. After following an expedition medicine course organized by World Extreme Medicine, it was only a matter of time before I would head off for an expedition.
Having sailed from a young age and kite surfing year round whenever there is wind, water always played an important role in my life. To dedicate my time to preserve the oceans, while being an expedition doctor on a Pacific crossing, is an absolute dream and I didn’t need to think long about joining The Swim. Together with Lauren and our on-shore medical team, I will take care of all people on board and monitor Ben during the swim. Also, we will lead the medical research projects, including imaging studies of Ben’s heart in collaboration with NASA.
Besides the safe and sound return of the crew, I hope that we make people think more about the use of plastic and the effects it is having on our planet.’