Sun Yang está livre para nadar e o CAS Tribunal Arbitral fica sob suspeita

2 meses ago 0

A partir de agora Sun Yang está livre para voltar a nadar e treinar com seus companheiros de equipe. (AP: Matt Slocum)

A decisão do Supremo Tribunal Federal Suíço de anular a proibição de oito anos concedida em fevereiro ao campeão mundial de natação chinês Sun Yang ganhou as manchetes em todo o mundo. É um caso marcante que está longe de terminar com questões que vão ao cerne do antidoping, justiça esportiva e direitos dos atletas.

A decisão é monumental de duas maneiras. Em primeiro lugar, não é impossível, mas extremamente raro para o tribunal suíço anular as conclusões do Tribunal de Arbitragem (CAS). Ele não analisa as conclusões como você pode esperar em um processo de apelação tradicional, mas considera apenas questões de “irregularidade processual”.

Em segundo lugar, a irregularidade processual neste caso centra-se em um dos árbitros seniores do CAS, o ex-ministro das Relações Exteriores italiano Franco Frattini, que presidiu o painel de Sun Yang que deu ao nadador a proibição máxima de oito anos após considerá-lo culpado de uma ação anti violação da regra de doping.

O recurso da Sun forneceu evidências de sentimentos anti-China expressos no Twitter de Frattini durante 2018 e 2019, com os advogados do nadador questionando a neutralidade do juiz.

Em comunicado, o tribunal disse ter “aprovado o pedido do nadador chinês Sun Yang para revisão da sentença arbitral do Tribunal Arbitral do Esporte (CAS) com base no viés de um dos árbitros do CAS”.

A partir de agora Sun está livre para retomar a natação e o treinamento com seus companheiros de equipe e pode até tentar se classificar para os Jogos de Tóquio 2021.

O diretor geral do CAS, Matthieu Reeb, disse “O CAS lamenta muito que as objeções contra o presidente do painel não tenham sido levantadas antes e que não puderam ser examinadas durante os procedimentos do CAS. Obviamente, as declarações publicadas pelo presidente do painel em sua conta pessoal no Twitter em 2018 não representam a visão do CAS, disse ele. Em qualquer caso, o CAS aceitará a decisão do Tribunal Federal Suíço (SFT) e retomará imediatamente o procedimento WADA vs Sun Yang & FINA de acordo com as instruções dadas pelo SFT. A audiência do CAS original durou 11 horas e foi marcada por sérios problemas de tradução. Sun é chinês e fala mandarim e um pouco de inglês, certamente não o suficiente para ter uma conversa detalhada e legal.

Apesar de ter vários árbitros registrados que são fluentes em mandarim, nenhum foi selecionado como parte do painel de três pessoas. É difícil imaginar que um atleta australiano teria que defender seu caso na frente de três jurados, nenhum dos quais falando inglês. Muitos comentários em torno do caso se concentraram no nadador e na comitiva quebrando frascos de sangue. Isso é factualmente incorreto e, ainda assim, continua a ser publicado continuamente.

Uma leitura completa da audiência do CAS, ou uma visualização completa das 11 horas disponíveis no site do CAS, estabelece que o frasco de sangue de Sun continua existindo, armazenado no hospital onde seu médico trabalha, embora seja inadmissível por não ter sido tomado por medicamento testadores na casa do nadador na noite de 18 de setembro de 2018.

Como um teste de rotina se tornou um dos maiores escândalos do esporte. Resumindo, a mãe de Sun ligou para ele tarde da noite para dizer que os testadores haviam chegado e que ele deveria estar em casa dentro da hora estipulada. Ele fez isso. Ele forneceu uma amostra de sangue antes de notar anomalias na acreditação e documentação da equipe parte do teste.

Sun se ofereceu para esperar até que uma parte devidamente credenciada chegasse para testá-lo, o que eles se recusaram a aceitar, e em resposta o conselho médico e legal do nadador foi de não deixar sua amostra de sangue, agora trancada em um invólucro à prova de violação, ser retirada. O grupo de controle de doping recusou-se a sair sem o invólucro.

A única opção era um guarda de segurança do complexo onde Sun mora abrir o contêiner para permitir que o médico de Sun ficasse com a custódia da amostra de sangue e permitir que os oficiais de controle de doping saíssem com seu estojo.

A noite em questão foi o nono teste antidrogas da Sun em 12 dias. Até sua proibição ele era o atleta mais testado do planeta, pedindo para fornecer urina ou sangue, em média, uma vez a cada duas semanas. Ele conhece as regras e está familiarizado com o processo. Se Sun estava preocupado em “falhar” em um teste, ele só precisava não ter ido para casa. Um atleta pode perder dois testes em um ano sem incorrer em uma sanção. Mas ele não escolheu essa opção. Ele escolheu ir para casa.

Como a WADA argumentou com sucesso na audiência do CAS, no minuto em que Sun se recusou a permitir que os oficiais de controle de doping saíssem com seu sangue, apesar de sérias dúvidas sobre seu credenciamento e papelada, ele cometeu uma “violação da regra antidoping”.

A decisão do CAS, em diferentes momentos, observa que “o painel considera que um período de inelegibilidade de oito anos é, embora justificado na aplicação da regra, uma sanção severa”.

Além disso, não há evidências perante o painel de que o atleta possa ter se envolvido em atividade de doping entre 4 de setembro de 2018 e a data da presente sentença arbitral e no balanço, o painel conclui que os resultados no período anterior à aplicação da sanção efeito não deve ser desqualificado. Essas não são descobertas geralmente associadas a uma fraude de drogas.

Separadamente, notou a atitude do nadador e sua falta de arrependimento: Foi surpreendente que, no decorrer de seu depoimento, em nenhum momento o atleta expressou qualquer arrependimento por suas ações.

Dado o julgamento da Suprema Corte suíça de que a neutralidade do presidente do painel é questionável, é razoável considerar se algumas das conclusões que ele presidiu podem ter sido influenciadas por sua alegada parcialidade.

É uma suposição justa que um atleta que acredita ser inocente, em uma audiência de 11 horas em que nenhum dos árbitros tenha entendido o que ele estava dizendo, possa ficar animado, até mesmo frustrado, uma atitude que pode ser compreensível dadas as circunstâncias.

Não apenas a justiça deve ser feita; também deve ser visto para ser feito. O CAS tem trabalho a fazer para garantir que sua legitimidade não seja prejudicada.

O painel também observou que, assim que o novo Código Mundial Anti-Coping entrar em vigor em 1º de janeiro de 2021, Sun poderá solicitar a redução da proibição de oito anos.

Isso não será necessário agora, uma vez que a prometida reavaliação do caso pela WADA será conduzida em 2021 sob o novo código, que inclui uma Lei de Direitos Antidopagem dos Atletas que fala de programas de testes justos, responsabilidade e proteção de dados.

Audiências e disputas justas, imparciais e operacionalmente independentes também devem ser resolvidas refletindo os princípios da Convenção para a Proteção dos Direitos Humanos e das Liberdades Fundamentais.

O Tribunal de Arbitragem agora poderá oferecer decisões que levem em consideração os fatos de um caso específico, em vez da forma anterior de justiça, em que a única questão não era culpado ou inocente, mas culpado por quanto? Sem dúvida, a reação ao caso em andamento será diferente entre o leste e o oeste.

Houve quase 4 milhões de comentários no Weibo, mídia social da China, ao meio-dia do mesmo dia que a notícia de que a proibição da Sun fora deixada de lado apenas algumas horas antes. No entanto, nem todos os comentários postados foram positivos.

Na Austrália, houve muitos comentários negativos, considerando o número de artigos, entrevistas que ocorreram quando o banimento da carreira de Sun foi anunciado pela primeira vez.

Naquela época, foi sugerido que uma piscina fosse nomeada em homenagem ao australiano Mack Horton, e uma estátua erguida em sua homenagem, já que era seu protesto de alto perfil no Campeonato Mundial de Natação de 2019, quando o australiano se recusou a subir no pódio para receber seu medalha de prata atrás do ouro da Sun, que atraiu muita atenção antes da audiência inicial do CAS.

É fácil ver isso como mais um caso de China contra Austrália, já que a relação entre os dois azedou. Mas não é nada disso. É um caso de legitimidade do antidopagem e da justiça esportiva distribuída de forma justa e consistente para todos.

Tracey Holmes para The Ticket

TRITV COM OS GAÚCHOS, PELO RIO GRANDE E O PROJETO NADANDO PELOS CARTÕES POSTAIS
Uma nadada pela conscientização ambiental
Márcio Weber nadou o percurso de 12 Km da Praia do Paquetá, em Canoas, até a Usina do Gasômetro na capital dos gaúchos, Porto Alegre.